Lean: a origem do takt time

Conheça a origem do takt time e veja por que é importante conciliar produção e demanda.

O takt time é mais um dos termos que devem fazer parte não só do vocabulário como da prática do profissional especialista na metodologia Lean Manufacturing. Por essa ser uma proposta de sistema enxuto de produção, é indispensável que quem a aplique esteja ciente da importância de se aliar a fabricação de mercadorias e a necessidade dos clientes.

Como você deve imaginar, excessos quase sempre não são bem vistos numa cadeia produtiva. Assim, escassez de estoque e depósito abarrotado são realidades que devem estar longe de uma empresa que pretende implantar o Lean. Como, porém, fazer com que a linha de produção funcione parecida com um relógio movido a engrenagens?

É justamente isso que o conceito de takt time vem responder! Continue a nos acompanhar e saiba por ele é tão significativo para uma produção enxuta.

O que é takt time?

O termo takt time é derivado da palavra alemã taktzeit, em que takt quer dizer “compasso” e zeit “tempo”. No contexto do Lean Manufacturing, takt time significa o tempo de produção disponível por turno de trabalho dividido pela demanda da clientela, também por turno.

Originariamente, a palavra taktzeit remete à ideia de ritmo musical. Contudo, no caso das empresas, o takt time está relacionado à harmonia que deve haver entre a produtividade e as necessidades dos consumidores.

Em termos práticos, o ritmo de produção de mercadorias deve acompanhar a demanda de forma próxima. Com isso, evita-se excesso de oferta e escassez de mercadorias.

Como você pode perceber, o takt time se adéqua perfeitamente à proposta do just in time, pelo qual se deve fabricar produtos no tempo, no lugar e na quantidade certos.

É claro que chegar a esse nível de exatidão requer equipes bastante treinadas, além de integração entre os vários participantes da cadeia de suprimentos. Afinal, conforme o setor e o porte da empresa, as mudanças podem se tornar lentas.

Como saber o takt time de um negócio?

O cálculo do takt time pressupõe o conhecimento de alguns dados por parte da empresa, são eles: demanda do cliente por determinado período (dia, semana, mês etc.) e tempo efetivo destinado à produção.

Por exemplo, se a clientela de uma montadora de veículos tem a necessidade de 500 automóveis por dia, mas a produção da companhia é de 150 carros por turno de oito horas de trabalho, mesmo com três turnos de funcionamento a empresa não daria conta da demanda, já que a fabricação seria de 450 unidades.

Cabe ressaltar que o cálculo do takt time ainda envolve o chamado tempo de ciclo, que é o período necessário para a execução de uma tarefa ou de um processo. Assim, se determinada peça do veículo é montada em 60 segundos e, num dia de trabalho de 7 horas (descontados intervalos), existem 25.200 segundos disponíveis para produção, em tese, a empresa fabricaria 420 peças no turno.

Note, então, que se a demanda da empresa é de 500 veículos por dia, no exemplo anterior, o tempo de ciclo teria que ser reduzido para se adequar ao takt time. Naquele caso, a peça deveria ser montada em 50,4 segundos para suprir a necessidade diária de veículos pelos clientes.

Até agora, talvez você esteja se questionando o porquê de o takt time ser relacionado com a ideia de música, não é mesmo? Então, vamos fechar esse raciocínio. Takt é uma palavra alemã para contador ou ritmo. Na música, o termo Takt significa a cadência rítmica determinada pelo metrônomo.

Já no Lean, takt significa a taxa média de demanda de um cliente, expressada como tempo por unidade. Logo, um takt de 60 segundos em uma linha de montagem de veículos significa que um carro deve ser entregue no final da linha a cada 60 segundos.

Se tivermos um processo de fluxo contínuo, isso também significa que o esqueleto do carro também deve ser produzido na célula de soldagem a cada 60 segundos, para igualar a demanda de produção.

Já imaginou se uma das células da linha de montagem começa a atrasar a entrega dos subprodutos? Com isso, a falta de outputs de um processo passa a gerar a carência de inputs no processo subsequente. Portanto, toda a cadeia de produção tende a funcionar fora de compasso, o que, por fim, causa insatisfação do cliente, entre outros fatores negativos.

Tal desajuste pode ser comparado a um instrumento que emite um som destoante em uma orquestra. Afinal, isso implicaria desarmonia ao conjunto musical.

É possível alcançar o takt time na prática?

O conceito do takt time é muito útil para se evitar superprodução, além de contribuir para a execução do just in time. Entretanto, é mesmo possível aplicar esse cálculo, principalmente em sistemas complexos como as grandes empresas?

A resposta é sim. Afinal, se por um lado existem bastantes tarefas ao longo de uma linha de produção, por outro o avanço da tecnologia permite que o gestor controle, em tempo real, os dados das unidades fabris.

É bem verdade que, no início da utilização desse conceito, pode ocorrer de a empresa ter que fazer alguns ajustes na execução das atividades. Isso ocorre, via de regra, devido à variabilidade no tempo de realização das tarefas, por exemplo, devido à habilidade ou não do operador em relação ao serviço.

É claro que, para chegar a esse conhecimento, a organização tem que mensurar o tempo de ciclo das tarefas. Em seguida, ela deve comparar tal tempo ao takt time, para saber se é capaz ou não de cumprir a produção para atender à demanda.

No que diz respeito aos processos que têm participação humana, do ponto de visto do operador, a exigência de se cumprir o takt time pode representar algo bastante estressante. Afinal, por mais que tente, dificilmente uma pessoa funcionará como um relógio o turno todo, concorda?

Como resolver isso, então? Na verdade, quando balanceamos o trabalho, conseguimos nivelar o fluxo de trabalho de cada colaborador da linha de montagem. Isso faz com que ele consiga executar suas tarefas o mais próximo possível do takt, no exemplo anterior, em 60 segundos.

Claro que na prática isso nem sempre é possível, uma vez que temos desperdícios, sem contar o estresse para o trabalhador, que não teria a oportunidade de compensar qualquer variação no seu processo.

Dessa forma, é preciso fazer com que cada tarefa seja executada em um pouco menos do que 60 segundos, assim, a empresa garante que o carro sairá a cada 60 segundos, tal qual o cliente deseja.

Gostou de aprender mais sobre esse conceito ligado à manufatura enxuta? Aproveite, então, e venha conhecer o curso Lean Manufacturing da Escola EDTI! Ao estudar conosco, você se tornará muito mais capacitado a gerenciar processos nas empresas em que pretende atuar.

Se você quiser saber mais sobre o Lean em sua empresa, baixe nosso material sobre a metologia Lean, totalmente gratuito clicando abaixo!

eBook – Lean Manufacturing, tudo que você precisa saber!

As metodologias Lean e Seis Sigma são bastante utilizadas pelas empresas no mercado atual. Porém, muitos profissionais ainda têm dúvidas sobre cada uma, como funcionam e o que difere as duas filosofias de gestão.





Capa eBook - Lean Manufacturing, tudo que você precisa saber!



1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] − Takt Time e Trabalho padronizado – O termo que eu uso em português é cadência, porque é preciso alinhar capacidade e processo em prol de uma “velocidade” ideal de execução em toda a cadeia. Mais uma vez, um bom sistema puxado depende disto, cada etapa deve estar percebendo e cadenciando a si em função do elo anterior e posterior (a-origem-do-takt-time). […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *