Precisamos conversar sobre inteligência emocional na liderança

Se você atua como líder em uma empresa, com certeza já ouviu falar em inteligência emocional. E sobre inteligência emocional na liderança, conhece algo sobre?

O nosso QI (Quociente de Inteligência) já começa a ser alvo de especulação na infância, a partir da observação, por parte de familiares e professores, de nossas capacidades cognitivas, espaciais e intelectuais. Há décadas sendo objeto de estudo em diferentes campos do saber, o QI é estudado, na atualidade, em aspecto de igualdade com o QE (Quociente Emocional), tendo ambos a mesma importância, quando se trata de características profissionais, sobretudo ligadas ao gerenciamento de pessoas.

Mas o que esse conceito representa no dia a dia do seu trabalho e como você pode colocá-lo em prática para se tornar um líder de sucesso? Siga nosso passo a passo, contribua com o desenvolvimento de sua inteligência emocional na liderança e garanta bons resultados na empresa onde atua.

Conceito

A capacidade de entender símbolos matemáticos e linguísticos não é mais fator preponderante para o sucesso profissional em um cargo de liderança. A função atualmente requer, além desses fatores, autoconhecimento, disciplina, persistência e, sobretudo, facilidade nos relacionamentos interpessoais. Há indícios, inclusive, de que o Quociente Emocional seja mais relevante do que o Quociente Intelectual.

Esse conjunto de características, que também inclui automotivação, empatia, sociabilidade, entre outros fatores ligados às capacidades intrapessoais e interpessoais, é denominado inteligência emocional. Ela pode ser adquirida ou ampliada por qualquer gestor, a partir do desenvolvimento de certas habilidades.

Importância

Uma liderança de sucesso requer um equilíbrio entre a capacidade intelectual e a inteligência emocional, sendo essa última um princípio fundamental para todos aqueles que gerenciam um grupo. É esse tipo de inteligência que nos dá subsídios para estabelecermos uma boa comunicação com todos que estão ao nosso redor.

Afinal, gerir pessoas envolve uma série de situações que interagem entre si. Muitas vezes é preciso trabalhar com dados, apresentar relatórios e desenvolver o poder de persuasão. Isso tanto para facilitar o entendimento daqueles a quem são dirigidas as tarefas, quanto daqueles a quem se faz necessário apresentar os resultados do grupo de profissionais envolvidos dessas tarefas.

Assim, é de fundamental importância a introdução de práticas no dia a dia que busquem um aumento da capacidade de inteligência emocional na liderança e também em outros setores, seja na vida profissional, seja na pessoal e familiar.

Comportamento

Quanto mais elevado mantivermos nosso QE, maiores as chances de sermos bem relacionados, pois é a partir dele que podemos entender e controlar nossas emoções. Através dele também é que podemos identificar as emoções daqueles com quem estabelecemos uma comunicação e, dessa forma, levarmos uma vida mais tranquila, com menos situações estressantes e, sobretudo, com mais sucesso no trabalho.

Influenciando diretamente em nossas questões comportamentais, uma inteligência emocional bem desenvolvida é decisiva para o sucesso no que tange a superação de desafios, a resolução de conflitos e a lida com questões que envolvem nosso comportamento ao buscar nossos objetivos em diferentes situações.

Passo a passo

É no trabalho que a maioria de nós passa a maior parte do tempo e é justamente no ambiente empresarial em que encontramos nossos maiores desafios, sobretudo quando precisamos colocar em prática inteligência emocional na liderança. Como tudo é uma questão de treino, confira um passo a passo que vai ajudá-lo a ser um líder bem-sucedido:

1. Primeiro, busque o autoconhecimento, pois a partir dele você poderá identificar as situações que mais o desequilibram, além de ser capaz de pontuar seus pontos fortes e fracos. Isso o levará a aceitar melhor sua vulnerabilidade, vencendo sentimentos de medo e vergonha ao cometer um erro dentro do cargo que ocupa. Dessa forma, você poderá desenvolver autoconfiança e conseguirá se tornar mais assertivo em suas decisões.  

2. Após esse primeiro passo, em que é desenvolvida uma autopercepção, é preciso estabelecer o autocontrole. Quando se deparar com uma situação em que esteja prestes a “explodir”, é preciso que conte até três antes de tomar qualquer atitude. Agindo dessa forma, busque controlar os comportamentos impulsivos, que não costumam ser saudáveis no ambiente empresarial.

3. Depois de tomar consciência e controle sobre suas atitudes, tome consciência de tudo ao seu redor. Procure conhecer cada pessoa ligada a você dentro da empresa, tanto pelo nome, quanto pela forma como cada uma delas se comporta.

Quando estiver conversando com outra pessoa, preste atenção no que ela diz. Ouça com atenção, buscando entender suas emoções. Quando outros colegas de trabalho estiverem interagindo entre eles, preste atenção na maneira que eles se comunicam. Dessa forma, você poderá identificar as necessidades e os anseios das outras pessoas com quem convive e gerencia, criando um vínculo com elas, obtendo sucesso ao influenciá-las no ambiente em que trabalham.

4. Estabelecendo maior consciência social, fica mais fácil tomar decisões. Agora é hora de testar sua capacidade de influência, que deve ter aumentado por meio dos vínculos criados. Aqui, você já deve ser capaz de influenciar os outros profissionais de maneira significativa.

5. Outro passo fundamental que contribui com a inteligência emocional na liderança é explicar, sempre que possível, as decisões tomadas por você frente ao grupo. Com clareza e transparência na comunicação, conflitos podem ser evitados e, caso ocorram, podem ser mais facilmente administrados.  

6. No caso de um conflito, procure não apontar o outro profissional como o único culpado e, se necessário, peça desculpas.

7. Após desenvolver boas relações e com o grupo unido, procure administrar o trabalho em equipe sob uma atmosfera de companheirismo, cooperação e solidariedade. Lembre-se de que o líder é capaz de administrar as emoções de todos. Por isso foi importante desenvolver a curiosidade e observação a respeito dos outros.

8. Enfim, colocando em prática a ética e a paciência e buscando sempre esperar do outro o melhor, passe a liderar a equipe com êxito, de forma a manter boas relações e inspirar aqueles que gerencia. Pois o segredo para ser um bom líder é agir de acordo com as melhores emoções e despertar no grupo os melhores sentimentos.  

Seguindo esse passo a passo, você estará apto a trabalhar sua inteligência emocional na liderança, demonstrando sua capacidade de empatia, tomando decisões transparentes e, sobretudo, dando condições para que as pessoas mantenham-se motivadas em busca das propostas estabelecidas. E isso em um ambiente emocionalmente saudável.

Gostou do conteúdo? Comente e compartilhe suas dúvidas e experiências!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *