oportunidade

Você saber enxergar as oportunidades?

Uma ideia brilhante

Você saber enxergar as oportunidades?

Uma ideia brilhante é quase sempre associada com genialidade e talento, o que dá a impressão de ser algo para poucos. Entretanto, todos os indivíduos que realizaram grandes feitos tem algo em comum: a capacidade de observação e a interação com o ambiente inserido. Parece simples, mas exige sensibilidade, sentidos aguçados e habilidade para enxergar nas entrelinhas.

Quem sabe utilizar estas “ferramentas” leva vantagem, pois é capaz de expandir sua visão e enxergar por outros pontos de vista. Para isso, é preciso escutar e observar outras pessoas, interagindo e compreendendo o que realmente os move.

Para refletir. Liste as pessoas que foram referências em inovação de uma determinada época, e pense se o que fizeram era algo que você não poderia ter imaginado caso tivesse observado mais ao seu redor. Esse artigo, baseado no livro “What I wish I knew when I was 20”, traz alguns experimentos que comprovam a distração das pessoas e explica porque essa limitação leva a perda de oportunidades.

                                               Transformando Limonadas em Helicópteros

 O mundo está cheio de oportunidades, porém, para aproveita-las é preciso estar disposto. Carlos Vignolo, da Universidade do Chile, costuma dizer que se você vai a algum lugar e não conhece ninguém novo, certamente perdeu a chance de fazer novos amigos e a possibilidade de ganhar milhões de dólares.

Enfatizando esse ponto, Tom Kelley, autor da “A arte da inovação”, diz que todo dia você deve agir como um viajante em terras estrangeiras, olhando tudo ao seu ambiente. Todo dia tendemos a não enxergar as oportunidades nos caminhos que cruzamos, pois raramente paramos para olhar a nossa volta. Mas se olhar com os olhos de um estrangeiro, você verá o mundo sob uma nova perspectiva e aumentará drasticamente a densidade das suas experiências. Por meio desta sintonia, você frequentemente encontrará coisas fascinantes.

James Barlow

James Barlow, chefe do Instituto Escocês de Negócios, faz um exercício provocativo para demonstrar esse ponto aos seus alunos. Ele entrega um jogo de quebra-cabeça às equipes e determina um tempo limite para ver qual grupo consegue terminar primeiro. As peças são enumeradas no verso de 1 a 500, tornando a montagem extremamente fácil, caso você perceba este detalhe. Mesmo com números bem visíveis no verso, leva muito tempo para os participantes enxergarem, e alguns nunca reparam. Basicamente, eles poderiam facilmente reforçar seu desempenho apenas prestando um pouco mais de atenção.

Focar sua atenção no meio em que está inserido exige bastante esforço consciente. Para isto, treino é fundamental, mas mesmo assim, corre o risco de perder uma informação importante que está bem a sua frente. 

Isso pode ser claramente observado por meio de um experimento. Tal experimento consiste na passagem de um vídeo de pessoas trocando passes com uma bola de basquete. O facilitador inicia o vídeo e pede que os telespectadores contem o número de vezes que o time de bermuda branca passa a bola. No final, eles conseguem responder facilmente a questão, mas nem sequer notaram que um gorila atravessou o jogo dançando o moonwalk.

Este exercício aumenta o campo de visão dos alunos

Ou seja, mesmo focado em uma dada situação, há muito mais para se enxergar.   A autora propõe um simples exercício em suas minhas aulas para ilustrar este problema aos alunos. Diz a autora “Envio-os em um local familiar, como o shopping, e peço para que completem uma ficha. Eles vão a algumas lojas e prestam atenção em todas as coisas que normalmente são invisíveis. Levam algum tempo para a percepção de sons, música, textura e cores e para entender como os vendedores interagem com os clientes. No final, eles observam coisas que nunca viram antes, enquanto estavam fechados em seu modelo mental”. Este exercício aumenta o campo de visão dos alunos, que percebem que vendas foram tiradas de sues olhos.  Quer saber como enxergar melhor as oportunidades na sua empresa? Faça o nosso Black Belt.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *