construindo-e-estruturando-um-planejamento-estratégico

Construindo e estruturando um planejamento estratégico

Você sabe o que é planejamento estratégico? Definimos planejamento estratégico como um processo gerencial de extrema importância para as empresas de todos os portes, pertencentes aos mais diversos segmentos. Ele impulsiona a empresa na direção correta, antecipando ameaças e diagnosticando oportunidades e melhorias.

Em outras palavras, é uma ferramenta destinada à administração de empresas, composta por diversas ações que são lançadas em conjunto com o intuito de alcançar um objetivo preestabelecido. Por isso, é geralmente associada ao início da operação do negócio. O fato é que a utilização do planejamento estratégico atua além da criação de uma empresa ou dos seus primeiros meses de vida. A sua utilização constante ajuda a fundamentar as tomadas de decisão no negócio. É daí que vem a estratégia do nome.

Durante a fase embrionária de uma empresa, você se depara com o plano de negócio e os instrumentos que ele traz e que ajudam a preparar a operação para os próximos passos.

Depois que a empresa está funcionando, esse suporte não deve desaparecer. Conduzir uma empresa por meio de ações precisas é algo necessário para que o desejado se transforme em realidade. Sendo assim, é preciso prever as melhores atitudes para conseguir atingir os objetivos do empreendimento, independentemente de quais sejam.

O modo como as empresas são geridas passa por um momento de transformação profunda e, ao mesmo tempo, contínua. Isso ocorre porque o mercado já não é mais o mesmo, bem como os consumidores, que mudaram os seus hábitos na hora de comprar.

As características dos negócios passaram a ser dinâmicas, pois elas mudam de acordo com as pressões externas e internas que sofrem. Por esse motivo, as organizações estão se esforçando a todo custo para se adequar às mudanças. Essa iniciativa visa, principalmente, evitar que se tornem obsoletas.

Estamos em plena era digital, em que a evolução tecnológica obriga gestores e executivos a buscar meios e ferramentas que norteiam o processo de gestão. Nessa jornada, as informações, os dados estatísticos e índices financeiros são bastante utilizados. Eles são motivados pela necessidade de tornar as organizações cada vez mais eficientes, eficazes, produtivas e que, além disso, operem a custos menores. Trata-se de um desafio que parece ser muito complexo, principalmente diante do cenário globalizado e volátil.

O planejamento estratégico assume um papel importante dentro deste contexto mercadológico, pois dá o suporte necessário para o crescimento e desenvolvimento de uma organização em qualquer segmento ou nicho. Ele representa o diferencial competitivo, sempre baseado na projeção de cenários e objetivos traçados.

A competitividade de uma empresa é suportada pela tríade composta por produtividade, qualidade e flexibilidade.

Esta última está intrinsecamente ligada à capacidade da empresa de se adequar à volatilidade do mercado.

Isso permite que os gestores direcionem o foco para as oscilações que ocorrem dentro e fora do cenário.

Desse modo, obtém-se uma postura organizacional proativa, necessária para enfrentar e se adequar diante das mudanças que surgem. Mesmo assim, muitos empresários ainda relutam em reconhecer a importância do planejamento estratégico. Esse comportamento vem, em parte, pelo desconhecimento das razões por trás do planejamento estratégico, falta de mão de obra especializada ou ausência de visão de negócios. Os gestores que adotam essa postura acabam administrando as empresas pelo instinto, de forma empírica, o que representa riscos para o sucesso dos negócios.

É fato que muitas empresas não possuem um planejamento estratégico, tornando indefinidos os planos de ação e objetivos. Isso as torna vulneráveis às investidas das concorrentes mais experientes, possibilitando a entrada de novos players.

As empresas devem ser comandadas a partir da combinação entre métodos objetivos e subjetivos, que estejam reunidos em um planejamento estratégico. Desse modo, alcança-se mais acuracidade nas informações, o que permite a formulação dos dados necessários para as tomadas de decisão.

Como é composto por alguns pontos básicos que dão o direcionamento ideal ao negócio, o planejamento estratégico requer, antes mesmo da análise estrutural, financeira e de custo, a definição do papel da empresa perante a sociedade.

Nesse contexto, definem-se suas intenções e objetivos, benefícios que serão oferecidos e o diferencial em relação às concorrentes. Por isso, destacamos três pontos muito importantes para o planejamento estratégico:

  • Missão: Trata-se essencialmente daquilo que a organização pretende oferecer aos públicos internos (funcionários) e externos (clientes). Lista-se aqui os produtos e serviços que serão disponibilizados, com o máximo possível de detalhamento. Descreva também as características do negócio, bem como os pontos principais relacionados a ele e as expectativas que pretendem ser atendidas pelas ações da empresa. De fato, é a missão da empresa.
  • Visão: Tudo o que foi descrito no tópico anterior deve ser efetuado a partir de uma visão de mundo. Portanto, o planejamento estratégico precisa ser contemplado com os objetivos a serem alcançados pela organização por meio de suas atividades. Estabeleça prazos para a obtenção dos resultados esperados. Não esqueça de estabelecer metas condizentes com a realidade, pois quando elas são irreais ou distantes demais, podem acarretar desmotivação dos próprios funcionários e clientes. Isso faz com que ocorra a perda de foco no andamento dos negócios.
  • Valores: O planejamento estratégico também é baseado nos valores dos empresários e empreendedores. São eles que estiveram e ainda estão presentes nas ações durante a vida. Nesse caso, precisam ser refletidos no modo como a empresa se comporta. Considere aqui os ideais que foram seguidos ao longo da trajetória e que dão o embasamento necessário para o desenvolvimento das atividades que direcionam a empresa para o próprio crescimento.

Essa ferramenta oferece para líderes e gestores os meios necessários que facilitam a gestão, criação e desenvolvimento das próprias empresas, inclusive a cultura organizacional. Desse modo, impacta-se funcionários e clientes por meio de ações estruturadas em missões, visões e valores predefinidos.

O planejamento estratégico estabelece a direção que a empresa deve seguir. Ele define claramente o propósito da organização, bem como metas realistas e objetivos consistentes. Para os funcionários, por exemplo, isso torna a jornada de trabalho mais completa e apresenta um propósito a ser perseguido.

A partir do momento em que a empresa tem metas bem definidas, ela pode mensurar as suas conquistas de modo eficaz. Dessa maneira, planeja-se com mais precisão os próximos passos que serão dados, tanto os que são destinados ao crescimento da organização quanto aqueles que servirão para corrigir os erros identificados.

O planejamento estratégico propicia um ambiente com processos bem estabelecidos, que tornam o dia a dia da organização mais prático e funcional. Em outras palavras, os níveis de produtividade e qualidade sobem. Isso melhora a percepção da empresa sob o olhar de funcionários e clientes, que sentem os resultados nas entregas de produtos e serviços.

Outra vantagem proporcionada pelo planejamento estratégico é a possibilidade de acompanhar o crescimento de todos, indivíduos, equipes, departamentos e empresa. Indicadores de desempenho podem ser estabelecidos para facilitar esse acompanhamento, colaborando para a tomada de decisões preventivas ou corretivas.

Toda organização precisa de autoconhecimento, ou seja, saber tudo sobre as próprias características para descobrir o potencial que possui. Nesse contexto, faz-se necessário conhecer os pontos fortes e fracos da empresa, pois a partir deles serão definidas as estratégias voltadas para o crescimento, solidificação e expansão de mercado.

Lembre-se de que o mercado está em processo constante de transformação, o que exige bastante flexibilidade das empresas. Por isso, o planejamento estratégico propicia longevidade ao negócio por meio de suas ações cuidadosamente implementadas. Deixa-se de administrar empiricamente para comandar com base em dados e informações reais.

Diante de objetivos e rumos estratégicos bem definidos, a organização alcança um maior controle sobre as próprias ações. Isso resulta em uma expectativa mais real para os cronogramas e orçamentos que são previstos. Quando se avalia se a execução está seguindo o planejado, permite-se tomar decisões mais precisas sobre os rumos.

Como consequência das vantagens apresentadas até o momento, temos mais uma que é o aumento da rentabilidade da empresa. Nenhuma organização nasceu com o objetivo de se manter eternamente com o mesmo tamanho. Todos desejam crescer! Somente por meio do planejamento estratégico e de suas ações é possível tornar uma empresa mais rentável.

As metodologias usadas no planejamento estratégico

O planejamento estratégico pode ser feito com o auxílio de algumas metodologias, como a análise F.O.F.A. e o diagrama de Ishikawa. A seguir, detalhamos mais como eles funcionam para que você possa escolher aquele que melhor se encaixa à realidade da empresa.

Análise F.O.F.A.

Trata-se da análise dos ambientes interno e externo, determinando as forças, oportunidades, fraquezas e ameaças da empresa. As iniciais dessas palavras caracterizam o nome dessa metodologia. Considere as forças e fraquezas como parte do ambiente interno, aquele que reúne tudo o que está sob os domínios da empresa, ou seja, passível de controle. Instalações físicas, treinamentos, profissionais, marketing, localização, benefícios, salários e outros fazem parte desse ambiente. Já o ambiente externo é composto por tudo o que se encontra fora do poder de controle da organização. Fazem parte dele as oportunidades e ameaças, que agrupam os fatores naturais, conjunturais e institucionais.

Diagrama de Ishikawa

Representação gráfica que tem como objetivo ajudar na organização do raciocínio e discussão de ideias com foco na resolução de problemas. Nesse diagrama, são listadas todas as causas e seus respectivos efeitos para que haja uma compreensão sobre o tema analisado. Para fazer o diagrama de Ishikawa, determine o problema que a sua empresa quer resolver. Liste todas as causas que podem ter gerado esse problema. Para cada causa, estabeleça um plano de ação que busque reverter a situação identificada.

O planejamento estratégico não é válido apenas para a criação e o início da operação de uma empresa. Ele também é muito útil para o crescimento, expansão no mercado e até mesmo quando se precisa sair de uma crise financeira. Independentemente do objetivo para o qual será destinado o planejamento estratégico, saiba que essa é uma ferramenta essencial na rotina de quem é ou deseja se tornar gestor. Reflita, discuta, avalie e direcione os rumos do negócio para iniciar o próximo ciclo com o planejamento já elaborado.

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *