Análise do Desemprego: 1

Análise do Desemprego: 1

Na semana passada divulgamos vários posts (4) sobre contendo análises para vocês utilizarem em seus protestos, planejamento ou para aumento do conhecimento apenas. Em um destes posts, nós falamos sobre a taxa de desemprego no Brasil e vários leitores contribuíram. Numa destas contribuições foi nos perguntado sobre as definições operacionais envolvidas na análise da taxa de desemprego. Diante disto, fomos atrás e nesta semana daremos um foco na taxa de desemprego, mostrando diversas curiosidades e detalhes que passam despercebidos nas análises que a mídia elabora.

Neste primeiro post iremos comentar as definições operacionais utilizadas pelo IBGE no estudo da taxa de desemprego. Vocês sabem quem o IBGE considera empregado? Segue a definição:

“São classificadas como ocupadas na semana de referência às pessoas que exerceram trabalho, remunerado ou sem remuneração, durante pelo menos uma hora completa na semana de referência, ou que tinham trabalho remunerado do qual estavam temporariamente afastadas nessa semana.”

Sob esta definição cabe uma gama enorme de trabalhadores, como por exemplo, o cara que faz malabares no semáforo. Sim, ele foi remunerado e trabalha mais que uma hora completa na semana. Neste contexto, incluem-se um enorme contingente de trabalhadores que recebem menos que um salário mínimo por 40 horas de trabalho na semana referência para a pesquisa. Posto isto, uma pergunta vem à mente: qual é o percentual de trabalhadores no Brasil que ganha menos de um salário mínimo por mês? Será que é alto? Vamos ao gráfico!

 Analise do desemprego

Figura 1: GRÁFICO DE TENDÊNCIA DO PERCENTUAL DE PESSOAS OCUPADAS COM RENDIMENTO MENSAL POR HORAS HABITUAIS EM TODOS OS TRABALHOS INFERIOR AO SALÁRIO MÍNINO/40 HORAS / PO. Fonte: IBGE

Figura 2: GRÁFICO XBARRA-S DO PERCENTUAL DE PESSOAS OCUPADAS COM RENDIMENTO MENSAL POR HORAS HABITUAIS EM TODOS OS TRABALHOS INFERIOR AO SALÁRIO MÍNINO/40 HORAS / PO DIVIDO EM ESTÁGIOS POR GOVERNO. Fonte: IBGE

Por meio do gráfico da figura 1 e da figura 2 é possível ver um grande aumento no percentual de pessoas ocupadas com rendimento mensal inferior ao salário mínimo. Será que é este o tipo de emprego que devemos festejar? Como explicar este aumento? Alguma teoria? Nos próximos posts tem mais detalhes sobre a taxa de desemprego. Não percam.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *