Como a metodologia Seis Sigma pode ser aplicada em diferentes áreas

Você é o tipo de pessoa que não mede esforços na hora de complementar sua formação e adquirir novos conhecimentos para ter sucesso profissional? Então, muito provavelmente, a metodologia Seis Sigma pode fazer uma grande diferença na sua carreira.

A metodologia Seis Sigma contribui para que os profissionais e as empresas utilizem a análise de dados para tomar decisões. Na prática, o principal resultado é a redução de custos. Afinal, um projeto Seis Sigma só é aprovado com a comprovação dos resultados financeiros.

Sendo assim, ao adquirir esse tipo de conhecimento, você se torna um profissional extremamente valioso, já que torna-se capaz de tomar decisões estratégicas que geram economia para a organização, além de maior eficiência e qualidade nos processos.

Quer entender como aproveitar essa vantagem competitiva na sua área profissional? Veja agora como a metodologia Seis Sigma pode ser aplicada em diferentes segmentos!

Como a metodologia Seis Sigma funciona?

A metodologia Six Sigma (em inglês) ou Seis Sigma (em português) utiliza a análise de dados e a estatística para aprimorar os processos, ampliar a qualidade, reduzir os gastos e ajudar nas tomadas de decisões importantes dentro das empresas.

O uso da análise de dados e da estatística é justificado pelo seguinte fato: para promover uma melhoria empresarial, a organização precisa conhecer as variáveis que afetam determinada situação. É somente a partir daí que torna-se possível encontrar respostas e soluções partindo de dados concretos.

Com os dados em mãos, o Seis Sigma se encarrega de gerar um ciclo virtuoso, no qual os aprimoramentos são cíclicos e constantes. A consequência é a gradual redução dos desperdícios, dos erros e dos custos, bem como o frequente aumento da qualidade, dos lucros e da satisfação do consumidor.

A seguir, vamos compreender por que essa metodologia é tão versátil e quais são os cinco passos necessários para aplicar esse ciclo virtuoso do sucesso.

Como a metodologia Seis Sigma pode ser aplicada para trazer melhorias em diversas áreas?

Seis Sigma é uma metodologia focada nas melhorias dos processos. Sendo assim, pode ser aplicada em toda e qualquer empresa que possua processos. Ou seja, praticamente em qualquer organização! Veja alguns exemplos a seguir.

Exemplos de aplicação da metodologia Seis Sigma em diferentes áreas

Para você ter uma ideia, a metodologia Six Sigma surgiu na gigante Motorola, no ramo de telecomunicações, nos anos 80. Mais tarde, passou a ser utilizada por outras gigantes, como a General Eletric, na área de energia e combustíveis, e a IBM, no setor de computação.

No Brasil, algumas das grandes empresas adeptas do Seis Sigma são: Consul (eletrodomésticos); Braskem (química e petroquímica); Brahma (bebidas); Gerdau (siderúrgica); Fiat (automóveis); entre diversas outras.

Em resumo, a metodologia Seis Sigma pode ser usada em qualquer área, desde que a empresa deseje melhorar seus processos, aumentar a qualidade dos produtos e serviços e/ou buscar crescimento.

O Seis Sigma não precisa ser utilizado apenas em indústrias; pode ser usado no dia a dia empresarial em qualquer tipo de processo. Por exemplo: processos de recrutamento, gestão de estoque, processos de vendas, fechamentos de contratos, redução de desperdícios de materiais, gestão financeira, entre tantos outros.

Independentemente do setor de atuação — marketing, saúde, indústria, comércio, varejo, logística, finanças, etc. —, a metodologia Seis Sigma costuma ser uma excelente alternativa para aumentar o desempenho dos processos, reduzir os custos, melhorar a qualidade e, ao final, ter clientes ainda mais satisfeitos.

5 etapas para aplicar a metodologia Seis Sigma em qualquer segmento

A metodologia utiliza um roteiro e se baseia em dados para garantir que a aplicação será padronizada, funcionando em qualquer área, para qualquer tipo de empresa. O Seis Sigma está dividido em cinco etapas. Veja a seguir!

1. Definição

Nessa primeira etapa, são identificados os problemas que a empresa deseja solucionar e os processos que precisam de melhorias. A partir daí, faz-se um filtro para selecionar um único projeto específico que será desenvolvido.

Também é importante, nesse momento, definir:

  • um líder para tocar o projeto;
  • os demais integrantes que participarão;
  • os indicadores;
  • as restrições;
  • o patrocinador;
  • e o processo foco.

A principal ferramenta a ser usada nessa etapa é o contrato do projeto de melhoria.

2. Medição

Em um segundo momento, é feito o mapeamento do processo. Nessa etapa, é preciso medir, investigar e avaliar o desempenho das diferentes etapas e variáveis envolvidas no processo em questão.

A partir da medição, torna-se possível apontar o que está causando defeitos ou problemas; ou, até mesmo, pontos que já estão funcionando, mas que podem ser melhorados.

É feita uma análise descritiva com gráficos de barras, Pareto, histogramas ou outra ferramenta que seja adequada no contexto que está sendo trabalhado. Nesse momento é importante avaliar o tamanho do problema existente, utilizando, para isso, os dados e os gráficos de controle. Para isso, também é fundamental validar o sistema de medição em si.

3. Análise

Após colher informações na etapa anterior, a terceira etapa consiste em avaliar os dados obtidos e buscar estratégias para reduzir os defeitos e desperdícios encontrados. Essa etapa determinará, por meio da estatística, as principais fontes de variação do processo.

Em outras palavras, essa é uma fase de diagnóstico. É preciso encontrar as raízes do que está causando o problema para que um tratamento possa ser encontrado e iniciado.

As principais ferramentas aqui são: correlação, regressão linear (estudo de relações entre variáveis), DOE (planejamento de experimentos) e ferramentas ligadas ao Lean (melhoria de fluxos e redução de desperdícios).

4. Melhoria

A etapa de melhoria consiste em otimizar os processos a partir das soluções encontradas, seja com objetivos de correção de problemas, seja com a prevenção de novos erros.

Partindo da melhoria, a empresa reduz as principais fontes de inconsistência, fazendo com que o processo sofra variações menores, aumentando a capacidade e a produtividade para gerar resultados melhores.

Aqui, o foco é validar as hipóteses de melhorias levantadas na fase anterior. Isso pode ser feito com o uso de testes em pequena escala.

5. Controle

A quinta e última etapa da metodologia Seis Sigma é a etapa de controle. Aqui, a equipe do projeto verifica como as soluções implementadas estão se comportando na prática, usando medições para descobrir se os resultados esperados realmente estão sendo obtidos.

Essa é uma etapa fundamental, afinal, pode-se descobrir se novas melhorias são necessárias. O objetivo é fazer com que os ganhos de produtividade e qualidade sejam permanentes. Por isso, é fundamental documentar tudo que está sendo implementado.

Como você viu acima, existem cinco passos claros para que a metodologia Seis Sigma possa ser aplicada em qualquer área. Com esse conhecimento em mãos, você pode atuar como um líder estratégico e operacional dentro da sua empresa, independentemente do segmento de atuação da corporação.

Gostou deste artigo? Temos um material ainda mais aprofundado sobre isso. Faça agora o download do ebook Seis Sigma e aprenda tudo sobre o assunto!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *