conceitos de mudança

Fábrica de ideias: conceitos de mudanças

Fábrica de ideias: conceitos de mudanças

Quantas vezes, em um projeto de melhoria você já não travou por falta de ideias originais? Quantas vezes, após horas na sala a equipe só tinha ideias do tipo “mais do mesmo”? Várias, não é mesmo? É muito comum, após eliminarmos o mato alto (resolver os problemas mais óbvios), que as boas ideias de mudanças vão rareando e, pressionados por continuarem a melhorar o indicador escolhido, acabam piorando o processo. Para isto, a API desenvolveu uma técnica extremamente útil chamada de “Conceitos de Mudanças”.

Esta técnica pode ser conferida na integra no livro “Modelo de Melhoria”, a venda nas principais livrarias. E, como funciona esta técnica? Antes de explicarmos seu funcionamento, temos de contar a sua origem. Esta técnica de melhoria tem sua origem em uma brilhante técnica de criatividade do Prof. Edward De Bono e amplamente abordada em nosso curso de criatividade.

Seu método de utilização começa ao definirmos um foco, ou um objetivo, para o qual desejamos ter ideias criativas

Definido o foco, anotamos a primeira ideia que vem a nossa cabeça e aí, extraímos desta ideia um conceito. Com o conceito por trás daquela ideia definido, começamos a ter outras ideias que utilizam como ponto de partida o mesmo conceito e assim, vamos povoando de boas ideias nossa discussão. A técnica praticamente não tem parada, pois das ideias geradas é possível extrair outros conceitos e repetir o processo.

E o que isto tem a ver com melhoria? A equipe da API utilizou esta técnica e extraiu, de todos os projetos realizados ao longo dos seus 40 anos de existência, quais os melhores conceitos a serem utilizados em projetos de melhoria. Sim, caro leitor, os “Conceitos de Mudanças” são um compendio de boas ideias cultivadas ao longo de mais de 40 anos e disponível a você em um livro.

Os 72 conceitos estão no livro “Modelo de Melhoria”. 

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

    Deixe uma resposta

    Want to join the discussion?
    Feel free to contribute!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *