Gestão de Risco

O que é e para que serve a Gestão de Risco?

publicado em | atualizado em

Cada vez mais, companhias de diversos segmentos têm aprendido a importância de contar com uma boa Gestão de Risco.

Inerente a todo tipo de operação, o risco precisa ser minimizado e controlado sempre que possível para garantir constância nos resultados.

Para saber mais sobre o que é e para que serve a Gestão de Risco, é só continuar lendo a seguir.

O que é uma Gestão de Risco?

O que é uma Gestão de Risco?

Dentro da Gestão de Risco estão os diversos cuidados que devem ser respeitados no sentido de minimizar os efeitos negativos sobre o resultado planejado.

O processo parte de uma análise do cenário atual para identificar os pontos mais sensíveis da companhia e agir preventivamente para tratar os danos das ocorrências indesejadas.

No final do dia, o objetivo é diminuir os eventos que têm consequência negativa ou eliminá-los sempre que possível.

Para isso, o foco precisa estar direcionado para as incertezas do fluxo de trabalho, aquilo que pode dar errado eventualmente.

A partir disso, o caminho é avaliar se existe alguma ação possível para diminuir esse risco ou mitigar os seus danos para o processo.

Para o Guia PMBOK, referência da área, um bom gerenciamento de riscos precisa envolver ações de planejamento, análise, monitoramento, controle e resposta para as ocorrências.

Tipos de riscos

Tipos de riscos

Conforme mencionamos, os riscos nada mais são do que incertezas dentro do processo sobre o resultado das ações.

Dentro de uma empresa, essas ocorrências têm diversas naturezas e é preciso estar preparado para lidar com cada uma.

Os riscos podem ser de diversos tipos: social, ambiental, operacional, financeiro e até mesmo para a imagem e reputação da marca.

No caso do risco social, podemos especular sobre situações onde uma demissão em massa precisa ser acionada para salvar a companhia.

Em alguns casos, esse exemplo pode ser também um risco legal já que muitas das situações de dispensas coletivas acabam sendo resolvidas na Justiça.

O risco ambiental diz respeito ao relacionamento da empresa com o seu entorno, respeitando a natureza e o bem-estar da população local.

Esses são apenas alguns exemplos de tipos de risco – sua pluralidade é prova da importância de manter uma gestão ativa para esse tipo de caso.

Para que serve a Gestão de Risco?

A Gestão de Risco funciona como uma rede de proteção, um seguro para as empresas seguirem com suas operações com a confiança de que o trabalho trará os resultados almejados.

Sua atuação é ampla, como pudemos perceber, já que deve ser capaz de gerenciar ao mesmo tempo incertezas de diversas fontes e tratá-las preventivamente.

Por isso, a Gestão de Risco tem papel fundamental para garantir a qualidade das entregas e cuidar dos resultados no longo prazo.

Um único risco legal pode acabar com décadas de trabalho duro e, por isso, é importante ter profissionais treinados para analisar todas as incertezas para garantir que tudo está dentro dos conformes.

Compliance

É importante agir de maneira coordenada e bem planejada para garantir um bom gerenciamento dos riscos – foi nesse contexto que surgiram os programas de compliance.

Esse tipo de iniciativa propõe o desenvolvimento de regulamentos internos para esclarecer questões éticas subjetivas e determinar o comportamento padrão para lidar com riscos dentro daquela organização.

As normas documentadas precisam ser claras e objetivas para que não restem dúvidas sobre o que fazer frente às incertezas que inevitavelmente aparecerão.

Não basta, porém, colocar as regras no papel: um bom compliance passa também pelo monitoramento que vai garantir que o que foi planejado pelo setor responsável será seguido pelo restante da empresa.

Como fazer uma Gestão de Risco

Apesar de existirem diversas metodologias atualmente aplicadas na Gestão de Risco, a maioria delas tem alguns pontos em comum.

Segundo a ISO 31000, o pontapé inicial deve ser o cuidado com comunicação e consulta, já que a organização precisa estar bem alinhada para que os riscos apareçam com mais clareza.

A partir disso, é importante estabelecer o contexto (interno ou externo) das incertezas e definir o seu tipo (social, financeiro, etc.) para entender em qual departamento o risco vai se manifestar.

A essa altura a gestão já é capaz de identificar os riscos e deve fazer isso com foco nos objetivos principais da organização.

A fase de avaliação e análise existe para trabalhar na priorização daqueles riscos que trarão danos mais significativos para os seus resultados, propondo os tratamentos adequados para cada ocorrência.

Por último, é recomendado um monitoramento e análise crítica contínuos do cenário que vai resultar em um registro detalhado do trabalho da gestão.

ISO 31000

Criada pela Organização Internacional de Padronização, a ISO 31000 é uma norma internacional que trata da padronização das ações para uma gestão de risco satisfatória.

Seu regulamento traz princípios diretivos para ajudar as organizações a avaliar e mitigar os riscos, tal como as fases citadas acima.

Gestão de Risco: o que podemos concluir?

Não importa qual seja seu segmento de trabalho, as incertezas existem e precisam ser acompanhadas de perto para não atrapalhem nos resultados.

Por isso, a Gestão do Risco se faz essencial para manter o controle de tudo que pode dar errado e agir preventivamente.

Para saber mais sobre manter a qualidade nos seus resultados, continue acompanhando nosso blog!

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[index]
[index]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]