O Tripé da Sustentabilidade

Questões ambientais e econômicas são uma grande parte de discussões do cenário mundial. Por conta de um assunto tão em pauta quanto nos últimos anos, a produção sustentável tem sido foco, e até mesmo parte de estratégia de marketing para muitas empresas.

Mas como equilibrar pontos tão conflitantes? Afinal a produção e o lucro das empresas são o que as mantem funcionando.

Como empresas podem se manter na liderança do mercado e mesmo assim levar em conta a sustentabilidade?
Veja mais sobre esse assunto em nosso post de hoje.

eBook: Como fazer análise de dados

A análise de dados tem sido uma habilidade cada vez mais requisitada no mercado de trabalho. A quantidade de dados disponíveis é enorme, mas poucas pessoas conseguem transformá-los em insights para decisões de negócios.





Capa eBook: Como fazer análise de dados



Meio econômico, social e ambiental: Qual o equilíbrio?

Primeiramente vamos a questão de sustentabilidade. Qual a função de uma empresa nessa relação com o ambiente?

A sustentabilidade empresarial  se refere a um conjunto de ações que uma empresa toma, visando o respeito ao meio ambiente e o desenvolvimento sustentável da sociedade.

Isso quer dizer que para uma empresa seja considerada sustentável ambientalmente e socialmente, ela deve adotar atitudes éticas, práticas que visem seu crescimento econômico, sem agredir o meio ambiente e também colaborar para o desenvolvimento da sociedade.

 

O desafio da sustentabilidade é justamente fazer com que tenhamos um crescimento urbano, mas que este crescimento seja feito de forma correta, sem que sejam sacrificados recursos naturais.

A sustentabilidade é formada por um tripé, logicamente, seguido de três conceitos básicos, onde cada um desses aspectos deverá estar estritamente ligado e de forma bem definida.

Ambiental

Tratamento dos efluentes e resíduos gerados, controle de emissão de gases poluentes, entre outros, são ações necessárias e obrigatórias para qualquer empresa.

Agora, uma empresa que deixa de fazer o que somente é exigido (Empresa Reativa) e vai além, buscando novas ideias, contribui de forma significativa com a sustentabilidade.

Programas que visam à preservação da flora e fauna, educação ambiental, construção de prédios ecologicamente corretos e despoluição de rios, são exemplos de ações que superam os exigidos e contribuem significativamente com o meio ambiente.

Social

A empresa que visa ser sustentável também deve se preocupar com comunidades ao seu entorno, por exemplo, ou com os seus colaboradores.

Programas de educação ambiental e responsabilidade social, incentivo ao esporte, ações que promovam a saúde e o bem estar, bem como, capacitação profissional, são outros exemplos do que pode ser feito por empresas sustentáveis. 

Econômico

O econômico também entra como um fator chave, já que é a partir dele que serão destinados os investimentos para os dois itens anteriores.

Aspectos de qualidade devem ser lembrados nesse quesito.

Maquinários novos, bom funcionamento dos processos, controle da produção, visando a redução de disperdícios e custos desnecessários. 

A mesma empresa também irá investir em novas tecnologias para tratamentos de seus resíduos e em formas de se reutilizar o que sobra da sua produção e até a água, desde que não seja para o consumo.

Vamos falar mais sobre isso a seguir: 

Controle de qualidade

O controle de qualidade realizado através de monitoramentos estatísticos, visa eficiência e produtividade.

As técnicas de controle estatístico da qualidade são abrangentes, entre elas estão o  histograma e o gráfico de controle.

O TQC pode ser usado em qualquer qualquer empresa e estabelecimento, através de técnicas de relacionamento, aperfeiçoamento, controle, padronização.

Deve-se iniciar a implementação pela educação e treinamento em etapas.

O planejamento da qualidade começa pelo desenvolvimento de ideias novas e no lançamento produtos ou serviços, lembre-se de que para chegar a melhorias que devem ser atingidas, não deve se cometer o erro de deixar de lado a inovação.

Empresas que não podem ter um planejamento de qualidade adequado, sem levar em conta seu tamanho, pois a área de produtos ou prestação de serviço podem ter um grande prejuízo.

Sendo assim, é no planejamento em que deve se levar em conta quais serão os instrumentos necessários e eficazes o suficiente para acompanhar a evolução do controle da qualidade na empresa, de forma que mantenha o rumo correto das alterações, evitando qualquer desvio ao decorrer do percurso.

Para isso, a técnica para ter o controle da qualidade pode ser classificada como:

  1. Técnica não estatística: organiza e avaliar a opinião concreta das pessoas que tem como relação às mesmas causas e assuntos.
  2. Técnica estatística: dá a porcentagem das pesquisas de pessoas satisfeitas ou insatisfeitas com seus produtos ou serviço tomado.

Existem sete ferramentas que podem ser utilizadas nesse segundo caso:

  • Diagrama de Pareto;
  • Diagrama de Causa e Efeito ou Diagrama de Ishikawa;
  • Histograma, Gráfico ou Carta de Controle;
  • Folha de Verificação;
  • Diagrama de Dispersão e Estratificação.

Como podemos concluir diante dessas informações, a sustentabilidade vai muito além de alguns aspetos óbvios e geram impactos positivos, não só para o meio ambiente, mas para a sociedade e a empresa, como um todo, afinal o aprimoramento de processos gera impactos positivos na produção.

Gostou de nosso conteúdo? Continue acompanhando nosso blog para mais questões relacionadas ao Seis Sigma e o mundo empresarial!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.