O que faz um analista de processos?

Um analista de processos define métodos e processos de trabalho, estuda tempos e parâmetros, mapeia fluxo das atividades e identifica falhas, a fim estabelecer estratégias para solução de problemas e propor melhoria contínua dos processos.

No artigo de hoje vamos falar mais um pouco sobre este profissional.

Porque investir em um curso de analista de processos?

Considerando o cenário empresarial, no qual as exigências de capacitação dos profissionais se tornam ainda maiores, e também o duro cenário econômico.

Conceitos de contratações passam a ser repensados, assim como novas estratégias, abordagens e estruturas começam a ser pensadas em busca de um aumento de produtividade, e consequentemente a rentabilidade, para garantir o crescimento da empresa.

Dentre as exigências esperadas dos profissionais como, aumento de produtividade e corte de custos, também é esperado que obterem um crescimento consistente, soluções eficientes,  planejamento estratégico e controle de processos são de extrema importância. 

Justamente por essas exigências cada vez mais profissionais estão se especializando e investindo em cursos de certificações.

Cabe a aqueles que pretendem se garantir profissionalmente buscarem formas de garantir sua capacitação, afinal gerir e otimizar com competência os processos é o ponto de partida para o crescimento empresarial. 

Perfil do profissional

A responsabilidade de entender todos os níveis tecnológicos dentro de uma organização, cabe ao analista de processos,  desde a infraestrutura de tecnologia da informação até as mais altas esferas de negócio.

Desta forma, ele atua diretamente na análise de requisitos, na gestão corporativa e na governança de TI, e na otimização de processos e recursos.

Isso é exigido para se manter um padrão entre os ambientes, processos e estruturas da organização, controlando os custos, otimizando as metodologias e melhorando a performance como um todo.

Seis sigma e a análise de processos

A gestão de qualidade não se restringe apenas ao controle da produção, existem outros fatores a serem levados em consideração.

Os conceitos associados à gestão da qualidade, carrega uma necessidade de um modelo de gerenciamento eficiente, dentro dessa necessidade podemos utilizar a metodologia Seis Sigma.

A metodologia Seis Sigma utiliza várias ferramentas que auxiliam na análise de dados, bem como na implementação de soluções de processos.

As ferramentas Seis Sigma possuem dois métodos principais de implementação, cada um com cinco fases. São eles: o DMADV, relacionado à criação de novos produtos/serviços, e o DMAIC, relacionado à melhoria contínua de processos existentes.

O DMAIC é a abreviação de definir (define), mensurar (measure), analisar (analyze), melhorar (improve) e controlar (control).

Esse método consiste em definir metas claras que estarão alinhadas aos objetivos estratégicos da empresa. A partir disso, mensurar o sistema existente para qualificar métricas e compreender as melhorias possíveis.

Sequencialmente, deve-se fazer uma análise geral para identificar caminhos possíveis de serem seguidos e implementá-los. Por fim, é substancial que seja feito o controle do processo como um todo, valorizando a prática da melhoria contínua.

Já o DMADV contrai em sua abreviação as seguintes ações: definir (define), mensurar (measure), analisar (analyze), desenhar (design) e verificar (verify).

A diferença, quando comparado ao processo anterior, é que por se tratar do desenvolvimento de um novo produto e não algo já existente na empresa, o DMADV alterna as etapas finais para o desenho do novo produto, seguido pela verificação aos requisitos propostos.

Para saber mais sobre a metodologia e como se tornar um especialista em Seis Sigma acesse o link.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.