Fazer o curso de certificação Seis Sigma beneficia sua carreira (e salário)?

O Lean Seis Sigma (ou Six Sigma) é a conjunção de uma estratégia de gestão de projetos e negócios, criada pela Motorola, com os preceitos da cultura Lean Manufacturing, que tem por objetivo a produção com maior eficiência e menos desperdícios.

Em resumo, é uma metodologia desenvolvida para identificar defeitos e gargalos em processos de produção, administrativos, de manufaturas e outros, corrigindo-os e assim eliminando desperdícios. Visa, sempre, a melhoria contínua, tanto dos profissionais quanto dos processos.

Hoje iremos abordar os benefícios que a certificação Seis Sigma proporciona a aqueles que escolhem realizar a certificação.

eBook: Como é o GREEN BELT da Escola EDTI na visão de seus alunos?

Entrevistamos três alunos que dividiram sua trajetória ao longo desse processo, desde a decisão de se tornar um Green Belt, até a experiência ao longo das aulas. Escolher uma instituição de ensino adequada é primordial para uma experiência completa de aprendizado, não basta tomar a decisão de realizar cursos para se destacar se isso não gerar, de fato, conhecimento ao aluno.





Capa eBook: Como é o GREEN BELT da Escola EDTI na visão de seus alunos?

5 vantagens da certificação Seis Sigma

No mundo profissional, certificações, cursos e qualificações são sempre bem-vindos. E a certificação Seis Sigma não fica para trás nesse quesito. Cada vez mais procurada pelos profissionais mais atualizados do mercado, a certificação Seis Sigma possui uma série de vantagens que pode fazer com que você saia na frente de seus concorrentes.

Quer saber mais sobre Seis Sigma? Então confira agora 5 vantagens que ainda não contaram a você sobre a certificação Seis Sigma para sua carreira!

1. Você ganhará empregabilidade

Em um mercado de trabalho cada vez mais concorrido, obter uma certificação, como a Seis Sigma, traz para o profissional uma vantagem competitiva enorme, colocando o profissional à frente dos concorrentes.

Durante tempos de crise, as empresas buscam profissionais visando a certificação de projetos de maneira ainda mais acelerada que o normal. E a explicação para isso é, na verdade, bastante simples: em períodos conturbados, a busca por profissionais capazes de reduzir gastos e desperdícios por meio da análise e adaptação de processos é fundamental.

Conseguir reunir em seu currículo às características de um profissional capaz de aumentar a produtividade da empresa ao mesmo tempo em que reduz os seus gastos é agregar diferenciais que potencialização sua empregabilidade.

2. Você conquistará maiores salários

Segundo uma pesquisa da American Society of Quality (ASQ) realizada em 2014, um profissional certificado em Seis Sigma ganha até 12% mais do que seus concorrentes da mesma área de atuação.

Recentemente, estudos também comprovaram que profissionais Black Belts apresentam uma média salarial que pode ser de 15 a 20% maior do que aqueles que não possuem nenhum tipo de certificação.

Como ainda é raro encontrar profissionais com esse tipo de qualificação e conhecimento, o mercado tende a valorizá-los ainda mais, uma vez que o potencial de agregação à empresa é sempre muito grande com certificados em Seis Sigma.

3. Você será muito mais versátil

Os níveis de certificação Seis Sigma (Green e Black Belt) oferecem para o profissional um grande leque de opções de atuação. Isso acontece porque a própria metodologia Seis Sigma é pensada para ser aplicada nos mais diversos setores do mercado, podendo ser utilizado em processos administrativos e burocráticos e até mesmo processos industriais bastante específicos.

Nesse sentido, um profissional com certificação Seis Sigma é habilitado para identificar, analisar e eliminar desperdícios em diversos setores e processos produtivos de qualquer empresa. Da melhora do fluxo de caixa do setor financeiro à diminuição dos custos de logística e transporte, o Seis Sigma pode se fazer presente em todo o ambiente empresarial.

4. Você desenvolverá habilidades analíticas

A certificação Seis Sigma passa por um treinamento árduo e muito importante, no qual o profissional conhecerá e aprenderá todos os preceitos e conceitos teóricos. Mas também é composto por uma parte prática, na qual terá a oportunidade de colocar em ação esses ensinamentos.

Uma das principais características de um profissional certificado em Seis Sigma é sua alta capacidade analítica. Faz parte do seu treinamento (e fará parte da sua atuação profissional) a utilização de habilidade analíticas capazes de resolver situações problemáticas e gerar resultados satisfatórios.

Esse tipo de competência faz parte do perfil profissional de alta performance que é cultivado nos cursos de certificação Seis Sigma. E, mais do que qualquer outra característica, o mercado tende a valorizar e ter sempre portas abertas para profissionais com alta capacidade analítica. O conhecimento é insubstituível!

5. Você terá um currículo com maior credibilidade

A metodologia Seis Sigma é uma das poucas metodologias de gestão de processos que possui uma grande credibilidade e é reconhecida ao redor do mundo. Grandes empresas e multinacionais já se utilizam dos seus benefícios e realizam melhorias em seus processos com os conceitos Seis Sigma.

Certificar-se em Seis Sigma é, portanto, um passo à frente na sua carreira profissional. Com um certificado Seis Sigma, você será reconhecido por empresas em território nacional e internacional.

Dito isso, fica claro o quanto esse tipo de certificação agrega no currículo de um profissional. Ainda mais se considerarmos que muitos cargos em diversas organizações já exigem um certo nível de certificação Seis Sigma no currículo, conquistar essa qualificação se torna ainda mais importante.

Benefícios das ferramentas seis sigma para a sua empresa

O Seis Sigma é um conjunto de práticas, reconhecidas internacionalmente, que, quando colocadas em ação, permitem que a organização maximize seu desempenho em processos e reduza defeitos e não-conformidades, acarretando no aumento de produtividade.

Por isso, é possível dizer que mais que o Seis Sigma é uma metodologia que identifica os pontos processuais falhos, permitindo a melhoria contínua de um departamento, de uma organização ou dos próprios profissionais. Essas mudanças têm impactos diretos na lucratividade e na qualidade da produção, o que faz das ferramentas parte fundamental da Qualidade Total.

Como funcionam as ferramentas Seis Sigma?

O sigma é uma letra do alfabeto grego que representa uma medida de variação muito utilizada em Estatística.

Já na esfera organizacional, a letra ganha um outro significado: aqui, o sigma está condicionado ao nível de desempenho dos processos da uma empresa, verificando o quanto eles estão adequados às especificações dadas pelo cliente. Assim, quanto maior for o sigma, maior será o índice de satisfação do seu público.

Resumidamente, é como uma verdadeira escala de qualidade. Imagine um processo simples como o atendimento ao cliente. Em uma situação hipotética e dadas as condições de aplicação das ferramentas Seis Sigma, a rotina de atendimento foi classificada com 1-sigma.

Na escala de qualidade da ferramenta, esse é o nível mais baixo. Isso significa que existe um processo com alto nível de defeitos, o que impacta, por reação em cadeia, nas vendas da organização.

Como implementar as ferramentas Seis Sigma?

As ferramentas Seis Sigma possuem dois métodos principais de implementação, cada um com cinco fases. São eles: o DMADV, relacionado à criação de novos produtos/serviços, e o DMAIC, relacionado à melhoria contínua de processos existentes.

O DMAIC é a abreviação de definir (define), mensurar (measure), analisar (analyze), melhorar (improve) e controlar (control).

Esse método consiste em definir metas claras que estarão alinhadas aos objetivos estratégicos da empresa. A partir disso, mensurar o sistema existente para qualificar métricas e compreender as melhorias possíveis.

Sequencialmente, deve-se fazer uma análise geral para identificar caminhos possíveis de serem seguidos e implementá-los. Por fim, é substancial que seja feito o controle do processo como um todo, valorizando a prática da melhoria contínua.

Já o DMADV contrai em sua abreviação as seguintes ações: definir (define), mensurar (measure), analisar (analyze), desenhar (design) e verificar (verify).

A diferença, quando comparado ao processo anterior, é que por se tratar do desenvolvimento de um novo produto e não algo já existente na empresa, o DMADV alterna as etapas finais para o desenho do novo produto, seguido pela verificação aos requisitos propostos.

Em um mercado extremamente competitivo como o atual, as empresas vivem uma busca constante por processos que potencializam seus esforços e tenham o máximo de produtividade.

Neste cenário, surgem possibilidades como as ferramentas Seis Sigma, que melhoram significativamente a rotina empresarial e identificam melhorias possíveis para o desenvolvimento organizacional.

Considerando o que foi exposto por aqui, fica bem claro que as ferramentas Seis Sigma são muito eficientes quando se pensa em otimizar processos e ter ganhos de produtividade. Mas, além disso, é possível estabelecer algumas outras vantagens que essa implementação pode trazer para uma organização.

Elevação do nível de qualidade

Partindo da premissa de que processos mais eficientes geram produtos melhores, fica clara a significância das ferramentas Seis Sigma para o ganho substancial da qualidade do produto final, não é à toa que elas estão atreladas às ferramentas de Qualidade Total.

Acréscimo na satisfação do cliente e na lucratividade

Quando os processos são otimizados, é possível reduzir custos, o que impacta positivamente no fluxo de caixa da organização.

Além disso, com o ganho de qualidade nos processos e no produto final, o consumidor fica mais satisfeito, o que aumenta seu consumo e, por consequência, o lucro da empresa — além de ser um excelente meio de promover a sua marca.

Aumento da retenção de clientes

Esse tópico está diretamente relacionado ao anterior: se o cliente está satisfeito com o produto/serviço que você fornece, ele cria uma relação de confiança com sua empresa e, muito provavelmente, retornará quando precisar novamente.

Diminuição do desperdício de tempo e de recursos

Ao otimizar processos, toda uma cadeia organizacional se movimenta, fazendo com que sejam evitados desperdícios de recursos e de tempo — bens valiosos para qualquer empresa que quer se manter competitiva no mercado atual.

Redução de custos da empresa

Processos otimizados reduzem os problemas e as não-conformidades, fazendo com que tudo caminhe da maneira programada. Ou seja, menos atrasos, menos desperdícios, menos custos.

Padronização de processos

Com um olhar mais apurado para os processos realizados na empresa, é possível estabelecer padrões documentados, o que facilita a rotina organizacional e evita falhas na produção.

Engajamento das equipes de trabalho

Por exigir um conhecimento mais profundo de cada processo existente na rotina de cada setor, a implementação da metodologia exige que as equipes se aproximem e troquem mais conhecimento para que insights de melhoria contínua aconteçam, fazendo o engajamento aumentar e o compartilhamento passar a ser uma troca natural.

Riscos de não fazer melhorias nas empresas

Além disso, as ferramentas Seis Sigma podem ser extremamente eficazes para potencializar a sua própria carreira.

Profissionais que conhecem a fundo a metodologia são capazes de identificar com mais facilidade a necessidade dos seus clientes e atendê-las por meio de processos otimizados, avaliando constantemente a eficácia dos mesmos e os aperfeiçoando sempre que possível.

O foco nos processos é, sem dúvida alguma, o grande ponto das ferramentas Seis Sigma. Quando isso é aliado a uma gestão proativa, colaborativa e voltada para a melhoria contínua, os resultados são extremamente positivos e cumprem com o objetivo principal que é a busca pela perfeição na entrega. 

Considerando os pontos apresentados, não fica difícil perceber o valor que as ferramentas Seis Sigma podem ter para qualquer empresa. Por isso, se você se interessou pelo assunto, leia este artigo e saiba mais sobre sua origem e aplicações.

Mudanças não param de ocorrer na sociedade, por isso, as melhorias nas empresas devem acompanhar as transformações da realidade. Se no passado, as alterações de cenários eram lentas, hoje em dia elas se tornaram velozes.

Antigamente, algumas organizações podiam se dar o luxo de não se preocuparem com o feedback dos clientes. Nesse caso, o consumidor se encontrava refém de uma marca, pelo fato de ela ser a única fornecedora de um produto ou serviço.

Na atualidade, a situação é bem diferente. Com o avanço da internet e o aperfeiçoamento da logística, é possível comparar mercadorias e adquirir de quem oferece mais vantagens. Dessa forma, para se manterem competitivas, as empresas devem se renovar continuamente.

Vamos ver a seguir quais são os riscos de um negócio não fazer melhorias.

Perda de competitividade

Uma organização que é líder em certo contexto favorável, pode perder posições se há mudanças nas condições anteriormente ideais. Se em meados da década de 1990 estar na internet era ser vanguarda, hoje é quase algo banal para um negócio. Igualmente, uma programa com alta qualidade de imagem feito para a TV analógica, hoje estaria aquém da TV digital.

Em todos os setores, se não há melhorias nas empresas, a consequência é a perda de competitividade. À medida que a tecnologia avança e os requisitos do consumidor se tornam mais exigentes, as organizações precisam se atualizar. Nesse sentido, negócios rígidos demais, que não se abrem às melhorias ou não promovem por contra própria o aperfeiçoamento, sofrem prejuízos.

Queda de participação no mercado

Depois de conquistar a fidelidade dos clientes, um negócio até sobrevive algum tempo sem implantar melhorias. Por uma série de motivos, alguns deles subjetivos, o consumidor continua a dar preferência para uma marca que “parou no tempo”. Porém, à medida que a concorrência avança, uma parcela do público migra para as empresas que oferecem diferenciais competitivos.

Logo, mais uma consequência da falta de melhorias nas empresas é a queda na participação no mercado ou market share. Após um período de pouca ou nenhuma inovação, um negócio pode ter que gastar muito para recuperar a preferência do consumidor. Por isso, é preferível investir em melhorias nas empresas enquanto se está “em alta”, do que correr atrás dos prejuízos.

Produtividade e qualidade baixas por falta de melhorias nas empresas

As empresas são sistemas abertos, que fazem trocas constantes com o meio externo. Contudo, quando o negócio se fecha em si mesmo, deixa de acompanhar os avanços tecnológicos.

Por exemplo, atualmente pouco adianta ser o produtor “número um” em carburadores, se a injeção eletrônica é o sistema predominante na indústria automotiva.

Não há dúvida de que há espaço para empresas que atuam com produtos ou tecnologias remanescentes do passado. Porém, quem quer produzir e vender em larga escala, deve acompanhar as tendências. Tenha em mente que produtos, serviços, processos, técnicas e até o modelo de negócio são passíveis de melhorias nas empresas.

Se a organização não investe no aprimoramento, perde em produtividade e em qualidade relativas à concorrência. Nesse caso, mesmo que a empresa mantenha os próprios padrões, passa a ser ultrapassada pelos adversários, à medida que eles avançam.

Possibilidade de falência

Como consequência extrema de um longo período de falta de melhorias nas empresas, a falência surge como resultado da ausência de ação. Organizações que não se planejam para se aperfeiçoar por conta própria ou que não respondem aos estímulos da realidade, perdem competitividade.

Em seguida, deixam escapar a participação no mercado, a qual também afeta a saúde financeira do negócio. Com o tempo, depois de muitas áreas frágeis, a empresa pode deixar de existir.

Como você pôde perceber, melhorias nas empresas são fundamentais para negócios de excelência. Ainda assim, saiba que a melhoria requer método e profissionais qualificados para essa finalidade.

O que nos leva a importância de cursos de especializações, afinal para se manter atualizado e na frente de concorrentes, os profissionais precisam se preocupar em manter seus currículos atualizados.

Ótimos exemplos de cursos para aqueles que desejam aprender como realizar projetos de melhoria, como citados anteriormente, são as certificações Green Belt e Black Belt.

A metodologia Seis Sigma é uma das poucas metodologias de gestão de processos que possui uma grande credibilidade e é reconhecida ao redor do mundo. Grandes empresas e multinacionais já se utilizam dos seus benefícios e realizam melhorias em seus processos com os conceitos Seis Sigma.

Certificar-se em Seis Sigma é, portanto, um passo à frente na sua carreira profissional. Com um certificado Seis Sigma, você será reconhecido por empresas em território nacional e internacional.

Comece agora! Faça os cursos de  certificações Green Belt e Black Belt.


Rating: 5.0/5. From 1 vote.
Please wait...
0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da conversa?
Deixe sua opinião! :)

Deixe uma resposta