Reengenharia de processos de negócios: o que é, pontos negativos e vantagens

publicado em | atualizado em

Reengenharia nas empresas é praticamente um sinônimo de começar do zero.

Embora em certos casos seja realmente necessária uma mudança mais drástica, em outros ela pode acontecer sem uma ruptura mais profunda nos processos.

A verdade é que toda empresa que passa por uma reengenharia, estando bem ou não, busca um salto de qualidade.

É nesse ponto que ela pode ser implementada com programas de qualidade total, a fim de que bons resultados sejam alcançados sem mudanças tão radicais.

Portanto, essa maneira de reinventar uma empresa não deve ser tratada como uma desconstrução, mas como um salto à frente.

Neste texto, vamos abordar a reengenharia de processos de negócios, como ela vem sendo feita e em que circunstâncias aplicá-la.

Acompanhe!

O que é reengenharia?

O termo reengenharia foi criado na década de 1990 pelos professores Michael Hammer e James Champy, ambos ligados ao MIT, o Instituto Tecnológico da Universidade de Massachusetts.

Apesar de remeter à área de construção civil, seu foco é na reestruturação estratégica de empresas de diferentes áreas.

Imagine, por exemplo, que uma grande organização precisa lidar com um novo concorrente disruptivo.

Nesse caso, é certo que ela vai precisar fazer algo totalmente novo e, sendo assim, precisará rever pelo menos parte dos seus processos produtivos.

Logo, a reengenharia pode ser indicada nesse e em outros casos nos quais seja necessária uma mudança mais profunda de abordagem e nas formas de produzir.

Como funciona a reengenharia de processos de negócios

Um ciclo completo de reengenharia depende de quatro etapas básicas para ser realizado.

Em cada uma delas, os métodos, técnicas e ferramentas utilizadas podem ser ainda mais refinados, até que a reformulação chegue a todos os stakeholders envolvidos.

De qualquer forma, as fases “obrigatórias” são:

Preparação

Em uma etapa preliminar, a empresa faz um inventário dos seus processos, selecionando aqueles que entende que precisam ser reformulados.

Paralelamente, é feita também a avaliação da sua viabilidade em termos orçamentários e os objetivos são definidos.

Planejamento

Uma vez que um projeto seja viável financeiramente, a empresa passa para a fase seguinte, em que define os recursos necessários para sua execução.

Ao mesmo tempo, são estruturadas as primeiras equipes de trabalho e é feita a divisão das atividades.

Implementação

A etapa da implementação é a mais delicada e, por isso, em geral ela é dividida em três outras fases:

  • Análise dos processos selecionados: identificação de pontos fracos e fortes, bem como as pessoas responsáveis por cada um deles
  • Reestruturação dos processos: em que deve prevalecer a visão do cliente, com os esforços convergindo para os objetivos traçados na primeira etapa
  • Avaliação: por último, é feita uma avaliação final dos impactos das mudanças e, se tudo estiver conforme o planejado, é realizada sua implementação nos processos.

Avaliação

O trabalho não acaba depois da implementação.

Uma vez que a reengenharia tenha sido concluída, cabe aos gestores envolvidos analisar seus resultados para fazer possíveis ajustes.

Esta é também a etapa em que se faz o controle dos processos recém-estruturados, de maneira a aferir os impactos da reengenharia, entre outros aspectos de caráter geral.

Pontos negativos da reengenharia e vantagens

Em razão das modificações profundas que propõe, a reengenharia deve ser implementada com bastante cautela.

Não há espaço para o improviso ou para a precipitação.

Tudo deve ser minuciosamente calculado, a fim de que a alteração de um processo não leve a perdas.

Por exemplo: uma empresa de softwares precisa reestruturar seu banco de dados, mas para isso, deve cuidar para que informações valiosas não sejam perdidas.

Dessa forma, a reengenharia de processos só é indicada para empresas com bastante controle sobre seus métodos e rotinas.

Nos negócios com uma gestão mais estruturada, a reengenharia pode promover pequenos “milagres” elevando a eficiência a patamares que, de outra forma, não seria possível.

Ainda assim, em certos casos vale mais investir na qualidade total do que promover uma reestruturação mais profunda.

👉Guia Definitivo: Aprenda como utilizar o ciclo PDSA

Quando utilizar a reengenharia

A reengenharia é a solução ideal para casos em que a empresa entenda que precisa não só inovar, como mudar seu posicionamento como um todo.

Ao lançar um novo produto, por exemplo, a reengenharia pode ser indicada quando se faz necessário desenvolver algo novo, que os processos atuais não dêem conta de atender.

O mesmo pode acontecer nas rotinas e práticas em uma linha de produção que apresentem a necessidade de elevar sua eficiência ou produtividade.

No nível dos serviços, a reengenharia representa uma opção para melhorar o relacionamento com o cliente, desde a prospecção até o pós-venda.

Outra situação em que a reengenharia se revela de grande utilidade é quando uma empresa precisa integrar seus processos, em especial por meio de sistemas ERP.

Quando não utilizar a reengenharia

Mudar é, em última análise, aceitar riscos.

Dessa forma, a reengenharia de processos de negócios deve ser realizada apenas em último caso, quando outras soluções menos drásticas não surtem mais efeito.

Voltamos a bater na tecla dos programas de qualidade total como uma solução menos arriscada, já que promovem a melhoria dos processos com o mínimo de rupturas.

Qualidade total e reengenharia: qual a relação?

A qualidade total é uma opção com menos riscos, porque a transição para uma nova configuração é feita de maneira mais gradual.

Nesse caso, a empresa mantém seus processos, e sua estrutura organizacional permanece intacta.

Já a reengenharia promove uma mudança no nível estrutural e pode eliminar cargos, funções e até setores inteiros.

Assim, ela deixa de lado o que já existe, focando seus esforços no que deveria existir.

👉Baixe aqui: Kit de normas e metodologias de qualidade e melhoria de processos!

Conclusão

De certa forma, a reengenharia é como criar uma nova empresa dentro de outra.

Por essa razão, ela deve ser implementada por profissionais qualificados, capazes de minimizar seus riscos e conduzir o processo de mudança de forma segura.

Com os cursos presenciais e EAD da EDTI, você se qualifica para ser um líder em todos os sentidos.

Enquanto escolhe seu próximo curso, que tal ler mais conteúdos que agreguem valor aos seus objetivos?

Confira o guia ISO 9000 e Seis Sigma para entender como melhorar os processos da sua empresa!

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[index]
[index]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]