TODOS OS CURSOS DA EDTI POR R$ 169,90/MÊS.
INCLUINDO GREEN E BLACK BELT!!
Comece agora e cancele quando quiser.

FMEA: Exemplos Práticos Preenchidos Para Você Aplicar

por Marcelo Petenate
publicado em | atualizado em

Se você procura exemplos de FMEA, podemos abrir este artigo com duas boas notícias.

A primeira é que veio ao lugar certo, pois este conteúdo está recheado de aplicações práticas para você se inspirar e utilizar na sua empresa.

E a segunda é que faz muito bem em buscar informações e exemplos de FMEA.

Essa é uma ferramenta mais útil que nunca.

Afinal, a cada ano que passa, muitas empresas perdem dinheiro com produtos defeituosos, recalls, trocas e clientes insatisfeitos.

Essas falhas no processo produtivo estão diretamente ligadas à falta de controle da gestão.

Para evitar problemas do tipo, adotar uma metodologia que se antecipa a falhas, que vão desde gaps de comunicação até produtos com erros que chegam ao cliente final, pode ser uma estratégia vital para o sucesso da empresa.

É o que proporciona a Análise de Modos de Falha e seus Efeitos (FMEA).

A partir de agora, vamos trazer exemplos de FMEA para que você possa conhecer mais sobre a ferramenta que acompanha todas as etapas de um produto, desde a concepção do projeto até a entrega ao consumidor final.

O FMEA ou Failure Mode and Effect Analysis, em inglês, cumpre papel relevante nos processos gerenciais e, não por acaso, vem sendo adotado em diversos segmentos com intuito de prever falhas e promover ajustes.

Possibilita que as organizações minimizem, de um lado, os custos de produção e, de outro, os danos causados à sua imagem por conta de possíveis defeitos naquilo que oferecem ao mercado.

Agora que já vimos que o diferencial competitivo começa por uma gestão eficiente, que tal nos acompanhar ao longo do artigo e conferir como o FMEA pode ser aplicado?

Siga a leitura e descubra como uma formação com foco nessa ferramenta pode se transformar em um importante upgrade para a sua empresa e os resultados por ela colhidos.

O que é FMEA?

O que é FMEA?

O FMEA é uma metodologia de gestão que auxilia no estudo e verificação de falhas durante os processos ou produtos de uma empresa.

A sigla, originária do inglês, quer dizer Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos.

A metodologia começou a ser desenvolvida pela indústria militar dos Estados Unidos poucos anos após a Segunda Guerra Mundial.

Seu objetivo inicial era identificar os problemas ocorridos de acordo com o êxito de cada missão.

Nos anos 1960, o FMEA foi adotado pela Nasa, a agência espacial americana, para corrigir falhas no programa Apollo, que levou o homem à Lua pela primeira vez na história.

Veja, portanto, como se trata de uma ferramenta abrangente. Mas as suas aplicações vão muito além.

O FMEA também prevê os impactos que as falhas poderiam causar dentro de uma empresa e determina as ações que devem ser adotadas para cada problema.

Assim, oferece uma visão geral dos erros, que podem estar nos projetos, nos processos, na comunicação ou no produto final.

A metodologia é utilizada na prevenção de falhas e na análise dos riscos de um processo por meio da relação de causa-efeito dos erros.

Essa verificação é o que proporciona a definição das ações que serão adotadas em cada caso, seja para eliminar ou minimizar os problemas identificados.

Exemplos práticos de FMEA

Exemplos práticos de FMEA

Para este artigo, preparamos uma série de exemplos práticos de FMEA para que você possa conhecer as diferentes aplicações dessa importante ferramenta de gestão.

Antes disso, cabe dizer que a plasticidade desse programa de redução de falhas permite que ele seja utilizado em inúmeros segmentos.

Ou seja, a aplicação do FMEA não fica restrita aos exemplos apresentados a seguir.

De todo modo, use as informações abaixo para se inspirar e levar o FMEA ao seu negócio.

Exemplo de FMEA de processo

O Processo de Análise de Modo e Efeitos de Falha (PFMEA) atua na verificação e acompanhamento dos processos produtivos.

Seu objetivo final é melhorar a eficiência produtiva.

O PFMEA detecta os possíveis erros durante a cadeia produtiva, atuando principalmente na verificação de falhas de planejamento e de execução.

Aqui, vamos falar de uma hipótese do FMEA de Processo aplicado à indústria automotiva.

Para o nosso exemplo, vamos usar o cinto de segurança como objeto de análise, pois é um item que afeta diretamente a segurança do consumidor.

Todos sabemos que um veículo deve seguir diversas normas e requisitos para proteger os usuários, não é verdade?

Pois um cinto de segurança deve ter capacidade e resistência para suportar qualquer tipo de acidente.

Entretanto, se ele não travar na hora do impacto, por exemplo, fica evidente que ocorreu uma falha no processo de produção ou no projeto desse item.

O caso é um tipo de erro que não teria ocorrido se a equipe de gestão do FMEA de Processo estivesse atuando para mapear o processo, identificar a origem do defeito e impedir que ele chegasse ao consumidor final.

Aliás, em um caso como este, tal imperfeição coloca em risco direto o usuário do produto.

Por isso, qualquer evento relacionado a uma falha desse nível traria sérios danos à imagem da empresa e, não raro, resultaria em grandes problemas financeiros com as indenizações por acidentes, sequelas e até mortes.

Exemplo de FMEA de produto ou FMEA de projeto

O FMEA que é direcionado ao desenvolvimento de algum produto pode ser conhecido de três formas: DFMEA (em que o D é igual ao design), FMEA de produto ou FMEA de projeto.

Independentemente da nomenclatura adotada pela empresa, o que importa é que esse FMEA deve ser criado para que seja verificada a existência de qualquer erro no projeto.

A estratégia vai avaliar as falhas que podem ocorrer nas especificações do produto, revelando possíveis problemas em componentes e subsistemas.

O FMEA de projeto ou de produto também examina as imperfeições do planejamento de um determinado item.

Vamos supor que uma montadora tenha projetado um novo veículo e que o seu airbag esteja com um defeito.

Pode ser um desajuste de calibragem no seu acionamento ou mesmo na estrutura de funcionamento.

Onde se pode encontrar essa falha? No projeto e planejamento da instalação do airbag.

Por que ela ocorreu? Possivelmente, por erros no design do produto.

Essas são hipóteses que o uso do FMEA poderia confirmar.

Para mitigar uma falha antes mesmo de os veículos saírem da montadora, o que deve ser o objetivo desse tipo de indústria, há algumas etapas a vencer.

É importante colocar em prática o FMEA do projeto, que vai considerar cada etapa, monitorar os testes de segurança e pensar em protocolos mais seguros para o equipamento.

Além disso, o líder responsável deverá preparar um plano de mitigação caso esse erro chegue ao consumidor final.

O DFMEA é o pontapé inicial para a análise de modos de falha e seus efeitos em toda a cadeia produtiva.

É a etapa que vai pensar em cada efeito decorrente das discrepâncias de um projeto possivelmente mal calculado.

Exemplo de FMEA indústria farmacêutica

Sabendo da importância da indústria farmacêutica para a população em geral, a aplicação da metodologia FMEA é uma necessidade nesse segmento.

Para falar sobre o uso da ferramenta no setor, vamos usar como exemplo a produção de medicamentos que, ao estarem com problemas de dosagem ou qualidade, podem levar à morte de pessoas.

As práticas de FMEA podem ser implementadas desde o momento de elaboração de um novo tipo de fármaco até a compra de matéria-prima e processo de produção.

Hipoteticamente, pensemos em uma situação-problema.

Nela, a indústria fabrica um medicamento que deveria combater o câncer. Contudo, o remédio, mesmo tendo sido testado anteriormente, não tem provocado uma reação positiva no tratamento dos pacientes.

Com o uso da ferramenta FMEA, pode-se descobrir se a origem do problema tem a ver com a matéria-prima, com a produção ou mesmo com o armazenamento inadequado, o qual talvez tenha alterado a estrutura química de um determinado lote.

Ao implementar o FMEA, o gestor responsável irá acompanhar todas as etapas do processo para identificar onde está o erro, classificá-lo conforme os índices de risco previamente definidos e determinar o protocolo para a solução dos problemas.

Além disso, ele deverá avaliar os possíveis impactos nos usuários e tratar da mitigação de danos aos pacientes.

Tendo realizado esse processo de gestão através do FMEA, gerenciando os riscos, a indústria farmacêutica pode evitar importantes custos com indenizações, gastos com a retirada de circulação de medicamentos e danos possivelmente irreparáveis à imagem da empresa.

Exemplo de FMEA de manutenção

O FMEA de manutenção faz a gestão de ativos e da confiabilidade de suas cadeias produtivas.

Seu principal objetivo é prevenir ou evitar a deterioração dos ativos em uso e gerir as possíveis falhas.

A empresa pode ser pequena, média ou grande, mas, independentemente disso, ela possui equipamentos para que os trabalhos possam ser realizados.

A linha de montagem de uma indústria que funciona 24 horas por dia, por exemplo, não pode ter sua produção interrompida por falhas em seus equipamentos.

Sempre que isso ocorre, menos unidades são produzidas e isso significa menos dinheiro entrando no caixa.

Sabendo disso, o gestor que comanda o FMEA de manutenção deve estar resguardado da capacidade de produção da máquina, da depreciação do equipamento e das manutenções preventivas.

Ter absoluto controle das etapas de manutenção pode garantir uma produtividade ininterrupta, evitando prejuízos que sempre estão fora do orçamento de uma empresa.

Exemplo de FMEA de serviço

Saindo da indústria e chegando ao setor de prestação de serviços, temos o que se conhece pela sigla SFMEA.

É a Análise do Efeito e Modo da Falha em Serviços.

Basicamente, o FMEA de serviços acompanha o fluxo através do qual um determinado serviço é prestado e mapeia os seus momentos principais, estabelecendo a importância de cada um para o sucesso da operação.

A partir daí, a análise levanta hipóteses de cenários nos quais podem resultar falhas.

Não apenas isso, como também os tipos de falhas que podem ocorrer na prestação do serviço, a maneira como elas podem acontecer, os efeitos dessas falhas sobre os clientes, os métodos possíveis de controle e prevenção das falhas e, por fim, o que pode ser feito caso a falha já tenha chegado ao cliente final e atingido a sua satisfação.

Como exemplo de FMEA aplicado ao setor de serviços, vamos imaginar a rotina de um restaurante.

Supondo que um cliente faz um pedido e recebe o prato errado. Essa é uma situação banal em um estabelecimento do tipo e que, quase sempre, é contornada com a rápida correção, fazendo chegar o pedido certo à mesa do cliente.

O problema é quando esse não é um fato isolado e acaba se repetindo, maculando a reputação do restaurante, que passa a receber menções negativas a respeito nas redes sociais.

Evidentemente, há uma falha entre o momento que o pedido é feito até quando ele é entregue ao cliente, havendo diversas hipóteses a investigar – não para apontar culpados, mas para corrigir o processo e evitar que ele se repita.

Importante lembrar, ainda, que o setor de serviços é bastante amplo e heterogêneo. Apesar disso, a metodologia FMEA se aplica bem às mais diversas empresas que atuam nele.

Então, esteja você à frente de um restaurante, hospital, construtora ou locadora de veículos, por exemplo, use o que aprendeu neste tópico para analisar as falhas do seu negócio e propor melhorias.

Exemplo de FMEA de sistema

Por fim, vamos falar do FMEA de sistema, que trata diretamente da identificação de falhas nas funções globais de um dado sistema.

Existe no mercado diversos modelos que atuam no gerenciamento e controle das equipes, insumos, matéria-prima, etc.

E, se o sistema da sua empresa vier a falhar, você saberia quantas peças estão em estoque? Saberia gerenciar a sua folha de pagamento?

Perguntas de difícil resposta, não é mesmo?

A importância do FMEA, nesse caso, aparece ao tornar possível prever erros que podem ocorrer no programa que gerencia a empresa, estabelecendo um protocolo previsto para o caso de falhas nele.

Hoje em dia, são muito comuns ataques de hackers que roubam todas as informações das empresas e pedem resgates em dinheiro (às vezes quantias significativas) para devolver o acesso a elas.

Tratam-se de roubos de dados que passam por pequenos escritórios de contabilidade até informações secretas de grandes corporações.

Ao FMEA de sistema, cabe mapear as vulnerabilidades e contribuir para implementar projetos relacionados à segurança de dados e mitigar danos em caso de roubo das informações, sejam elas sigilosas ou de controle de produção.

Importância de um curso de FMEA

Importância de um curso de FMEA

Até o momento, vimos as inúmeras possibilidades de aplicação que a metodologia de Análise de Modos de Falha e seus Efeitos oferece.

Lembramos que esse é um processo que pode ser aplicado em diversos segmentos e setores dentro da uma  empresa.

Porém, para cada um deles, será essencial desenvolver pontuações, regras de aplicação, elaborar planilhas e levantar informações.

Estudar mais sobre essa indispensável ferramenta de gestão pode ser uma opção para elevar a produtividade com investimentos relativamente baixos.

Pensando em como ajudar a sua empresa a ganhar um diferencial de mercado, há cursos que vão lhe ajudar a implantar essa metodologia.

Nas formações da Escola EDTI, os alunos obtêm um aprendizado que permite aprimorar o seu conhecimento técnico nesse e em outros métodos de qualidade e promoção da eficiência na empresa.

Afinal, fazer um curso que traz qualificação para o gerenciamento da sua empresa garante um diferencial importante no currículo do profissional.

Esse diferencial vai estar associado ao reconhecimento da marca através da qualidade de processos e dos procedimentos internacionalmente validados.

Os cursos da EDTI têm o objetivo de aprimorar seus conhecimentos na área de gestão para que você possa implantar e adequar a metodologia FMEA em seu negócio.

A partir das informações e conhecimentos desenvolvidos ao longo da capacitação, você será capaz de identificar e analisar falhas desde a concepção de um projeto até o final da sua cadeia produtiva.

Entre os conhecimentos ensinados no curso da EDTI, a Análise de Modos de Falha e seus Efeitos (FMEA) é um dos mais importantes para você investir na melhora dos indicadores de eficiência e produtividade dos seus negócios.

Conclusão

No decorrer deste artigo, você viu exemplos de FMEA e entendeu como essa ferramenta de gestão atua na antecipação e manejo de falhas.

Adotar o FMEA permite verificar problemas recorrentes em processos, projetos, produtos e serviços e agir de maneira preventiva ou corretiva, evitando prejuízos financeiros e danos à imagem da empresa.

Falhas que chegam ao consumidor final e geram algum impacto midiático, sobretudo na era das redes sociais, resultam em problemas de confiabilidade às marcas, muitas vezes motivados pela insatisfação dos clientes.

Esse é um cenário que você pode evitar – e a metodologia FMEA apoia suas ações nesse sentido.

Agora, não faltam exemplos e situações variadas nas quais se inspirar para investir na qualidade e construir uma realidade diferente.

Visite o site da Escola EDTI para conhecer os melhores cursos FMEA e outras qualificações importantes para a gestão de empresas, oferecidas tanto na modalidade presencial quanto no ensino a distância.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe um comentário abaixo ou, se preferir, entre em contato conosco.

Também compartilhe este conteúdo em suas redes sociais.

 

[index]
[index]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]