Value Stream Mapping

Tudo o que precisa saber sobre Value Stream Mapping

publicado em | atualizado em

Conhecido principalmente pela sigla VSM, o Value Stream Mapping é uma importante ferramenta para realizar a otimização dos processos dentro de uma empresa.

Seu desenvolvimento dá ao gestor uma visão mais ampla dos negócios ao expressar as particularidades de cada etapa.

Continue lendo para saber mais sobre o VSM e aprender a aplicá-lo com um passo a passo detalhado.

O que é o Value Stream Mapping?

O que é o Value Stream Mapping?

VSM é a sigla utilizada para se referir a uma ferramenta bastante útil nos processos de otimização e melhoria contínua.

O seu uso ajuda a melhorar a visualização dos fluxos de trabalho ao oferecer todos os materiais necessários para uma análise aprofundada.

Dentro de um VSM, é possível encontrar informações e métricas sobre o caminho da produção, os responsáveis por cada etapa e as metas de cada setor.

Ainda mais, o mapeamento inclui os tempos de processamento, o TAKT, o volume da produção e a incidência de defeitos de cada fase.

A ferramenta aparece com frequência dentro do pensamento enxuto por apontar para os problemas e facilitar a identificação dos pontos de desperdício.

Value Stream Mapping e projetos Lean Six Sigma

Value Stream Mapping e projetos Lean Six Sigma

O Value Stream Mapping é bastante utilizado dentro de projetos Lean Six Sigma por seguir um objetivo que vai ao encontro do que propõe a metodologia.

De modo geral, podemos dizer que ambos buscam eliminar o desperdício ao criar o sistema mais eficiente possível.

Existe, porém uma diferença entre as abordagens do pensamento enxuto e do Six Sigma: o primeiro foca nas atividades de valor não agregado, enquanto o segundo prioriza as variações de processos que resultam em desperdício.

Ao examinar o estado atual de um sistema, as ações que agregam à criação de valor podem ser claramente separadas daquelas que criam desperdícios, facilitando a identificação de oportunidades – é isso que fornece a base para a criação de um plano de melhoria.

Como aplicar o Value Stream Mapping Lean passo a passo?

Conforme prometemos, abaixo você confere um passo a passo detalhado para aplicar o VSM Lean.

Identifique o produto

O primeiro passo deve ser identificar os produtos ou serviços que devem ser estudados e melhorados pelo VSM.

Dependendo do tamanho da iniciativa, isso pode ser feito reunindo uma equipe que vai fazer o mapeamento e a análise da situação-problema.

Caso o time seja inexperiente no tema, um treinamento sobre VSM Lean pode ser necessário nessa etapa.

Obtenha o apoio da liderança

Nenhuma mudança organizacional trará os resultados esperados se a chefia não estiver convencida de sua necessidade.

Esse apoio da liderança é essencial para o projeto de mapeamento do fluxo de valor, considerando todos os custos envolvidos no projeto.

É possível que você use um VSM reduzido aqui para demonstrar a melhora potencial e ganhar o apoio necessário.

Determine o problema para o fluxo de valor

Para determinar o problema do fluxo, a equipe deve tentar se colocar no ponto de vista do cliente e entender o que realmente gera valor para ele.

Nesse caso, o Diagrama de Ishikawa pode ser utilizado para uma análise em A3 das causas-raízes do problema.

Limite o processo

O próximo passo é dedicado ao desenho do processo de melhoria em si.

Aqui, você deve criar um escopo de todas as ações que serão aplicadas, registrando os valores atuais dos indicadores de desempenho para verificação posterior.

Percorra os passos do processo/fluxo de informações necessários para implantar o produto ou serviço

Contudo, antes de seguir em frente, vale a pena revisar o mapeamento do seu VSM para entender se o que está ali realmente representa a situação real com suas fraquezas e fortalezas.

Alguns profissionais preferem realizar o percurso partindo do ponto de vista do cliente, o que pode ser útil para entender se existem processos redundantes no seu fluxo.

Faça isso quantas vezes forem necessárias para se certificar que o seu mapa está otimizado e livre de falhas.

Defina os passos do processo

Para seguir em frente, a definição dos passos do processo exige que você lembre-se de permanecer dentro dos limites que foram definidos na elaboração do seu VSM.

Esse passo é muito relevante para estudar as atividades de trabalho e fluxos de informações que agregam valor ou não para o cliente.

Colete dados do processo durante o percurso

Durante o seu mapeamento, é importante registrar os valores dos índices de performance para que você possa verificar a eficácia ao final do processo.

Esses indicadores podem ser o tamanho do estoque, o tempo de ciclo e inatividade do maquinário, o número de trabalhadores envolvidos, entre outros.

Na última fase do VSM, você começa então a avaliar o desempenho de cada etapa de sua produção a partir desses dados.

Cuidados com o Value Stream Mapping

Durante o desenvolvimento do seu mapeamento, é preciso ficar atento em alguns pontos para garantir o sucesso da ferramenta.

Aqui é importante se certificar de que você escolheu os parâmetros que, de fato, são mais adequados para medir os efeitos do problema abordado.

Também, é importante elaborar o VSM com cuidado na precisão dos valores registrados, já que esses dados serão a régua pela qual o sucesso do seu processo será medido.

Conclusão

O Value Stream Mapping é uma ferramenta que pode ser extremamente útil para mapear os fluxos de trabalho e desenhar processos mais eficientes.

Em sua elaboração, é importante escolher os parâmetros corretos de acordo com seus objetivos e preencher os dados com atenção nos detalhes.

Para saber mais sobre essa e outras ferramentas, continue acompanhando nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

[index]
[index]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]