Design: história e benefícios

Design: história e benefícios

publicado em | atualizado em

Você já parou para pensar em quantas coisas ao seu redor são produtos de design? Quando você levanta de manhã, acende seu abajur, escova os dentes, toma seu café, dirige seu carro, enfim, absolutamente tudo tem design envolvido, pode acreditar. O mundo é um grande laboratório de design.

Quando o primeiro ser pensante decidiu facilitar as tarefas diárias construindo um utensílio ainda rústico e improvisado, já estava criando um objeto para solucionar um problema cotidiano. A partir de então, soluções criativas não param de surgir, o que torna a vida cada dia mais confortável. 

Nesse post, falaremos sobre um design, um pouco de sua história e seus benefícios no dia a dia. Continue com a gente e tenha uma boa leitura!

O que é Design?

Conceituar design sempre foi uma espécie de charada, já que não é das tarefas mais simples, embora não seja nada complicado saber o que é. Parece confuso? Pois, esse é mais um daqueles mistérios que todos entendem intuitivamente, mas, quase ninguém consegue explicar em poucas palavras. 

Então, é algo meio intuitivo e sujeito a interpretações variadas, porém, de maneira geral, podemos entendê-lo como uma ciência, processo ou um meio pelo qual solucionamos um problema. Trata-se de um conceito amplo e pertinente, já que praticamente tudo envolve design e com ele pode ser melhorado.

No dicionário Aurélio, “design é conceber um projeto e seu planejamento”. Daí interpretamos que, além da concepção do projeto, o design também envolve planejamento. E, além disso, é subdividido em categorias, das quais falaremos mais adiante.

Breve história

Antes de discriminar as diversas áreas nas quais o design atua, falaremos um pouco de sua história. Conforme já introduzimos, desde que nossa espécie surgiu é possível considerar a existência do design na criação da pedra lascada.

No entanto, para facilitar o entendimento, é preferível avançar no tempo e posicionar o início dessa história já na Renascença, considerando Leonardo da Vinci como um dos grandes pioneiros. Ele usou seu gênio a serviço dos princípios de design e elaborou grandes projetos visionários, que ajudaram a revolucionar a vida das pessoas e impulsionar a ciência.

Contudo, o design conhecido nos dias atuais começou a despontar um pouco mais tarde, em meio à Revolução Industrial, que substituiu o modo artesanal pela produção em série, com a confecção de protótipos, domínio de técnicas e uso de materiais novos. 

A primeira referência à expressão “desenho industrial” está presente no livro The Art Craft of the Machine, do arquiteto Frank Lloyd Wight, em 1902.

Em 1919, foi fundada a Escola de Arte Bauhaus, que delineou o conceito de design moderno e, assim, essa foi a primeira vez que a arte teve sua inclusão no mercado e na tecnologia. Isso abriu portas para as soluções que conciliavam os diversos aspectos do design: estético, comercial e prático. Dessa forma, ao longo do século XX, o design se diversificou em inúmeras concepções, estilos, especialidades e segmentos, resultando em um mundo vasto e complexo. Passou a ser visto como objeto de estudo e transformou-se em disciplina.

No Brasil, sofreu enorme influência da tradição alemã da Deutscher Werkbund (Federação Alemã do Trabalho), da Escola de Ulm e da Bauhaus. E, apenas em 1962, o primeiro curso de design oferecido no Brasil foi a Escola Superior de Desenho Industrial – ESDI, cujo conteúdo foi imensamente influenciado pela Escola de Ulm. Em 1975, foi incorporada ao Centro de Tecnologias e Ciências da UERJ.

Áreas em que se aplica o Design

Tendo em vista o objetivo de solucionar problemas, com o tempo as especialidades se mostraram como algo inevitável. E isso é muito natural, se levarmos em conta que o conhecimento tende a se desmembrar em partes cada vez menores e mais sofisticadas.

Sendo assim, hoje temos uma gama de categorias especializadas de design e entre as principais estão:

  • Design de produto;
  • Design gráfico;
  • Design de interiores;
  • Design de moda

Algumas das categorias acima citadas ainda se ramificam em mais subcategorias, como:

  • Design de embalagens;
  • Design de interfaces;
  • Design de animação;
  • Web design;
  • Design editorial

Essas são as mais conhecidas e bem integradas ao mercado, embora ainda comportem mais subdivisões, de acordo com o aumento da complexidade. 

Design Thinking

Temos aí mais um nome “diferentão”: Design Thinking. Mas, dessa vez, estamos falando de uma metodologia criada para oferecer serviços e produtos alinhados à real necessidade dos clientes.

Seu uso tem o escopo de aperfeiçoar serviços e produtos de maneira simples, bem planejada e ágil, bem ao estilo de um profissional da área de design. Esses atributos incluem a estrutura do pensamento, o potencial criativo e outras particularidades do universo de um designer, que envolvem todo o planejamento do negócio e não somente a elaboração do produto final.

No universo corporativo, até mesmo os profissionais mais bem preparados podem se deparar com “bloqueios criativos” no momento de encontrar a solução para um problema, que aparentemente é notado como simples. Por isso, é necessário avaliar as peculiaridades da empresa a fim de adotar um sistema propício ao pensamento criativo.

É aí que o Design Thinking entra com sua natureza criativa e crítica. Com a ajuda dessa abordagem é possível formular ideias e encontrar soluções inusitadas para qualquer tipo de problema, de forma coesa, enxuta e segura. Seu propósito é mais que estético e, no mundo dos negócios, traz inovação. 

Como o Design pode te auxiliar?

De incontáveis maneiras. Levando em conta sua natureza prática, voltada à usabilidade, as empresas podem se transformar introduzindo a inovação em todas as suas práticas, incluindo seus processos internos. Podemos resumir alguns benefícios de seguinte forma:

  • Agrega valor ao serviço/produto;
  • Desenvolve uma linguagem visual objetiva e clara, tanto para o negócio quanto para o público de interesse;
  • Cria soluções inovadoras e práticas, desde o planejamento até a execução do projeto;
  • Proporciona usabilidade;
  • Ajuda na conversão.

Conclusão

O design está em tudo o que nos cerca. Na maior parte do tempo só não prestamos atenção nisso, apenas usufruímos das coisas que facilitam nossa vida diária. Mas, quando pensamos nisso, fica fácil entender a importância dessa ciência, metodologia, filosofia, seja lá a denominação que cada um prefira atribuir. E o melhor de tudo é que sua influência está cada dia mais presente e aprimorada, tornando nossos afazeres sempre mais fluidos e fáceis de executar.E você, já aprendeu a apreciar o design nosso de todo dia? Se não, dê uma chance para essa disciplina tão rica e intrigante. Aproveite e conheça mais sobre Design Thinking, Lean e Agile como metodologias de trabalho!

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[index]
[index]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[523.251,659.255,783.991]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d<c.length;d++){var e=c[d]