Lean Thinking

Lean Thinking: saiba tudo sobre essa metodologia!

O mundo dos negócios está mudando o tempo todo. Por essa razão, é necessário se manter atualizado nos conceitos e estratégias de administração mais modernos. Otimizar processos e utilizar os recursos da melhor maneira possível é muito importante para gerir com mais eficiência e garantir resultados positivos.

Na vanguarda desse tipo de gestão — com alto nível de eficiência — está o método conhecido como Lean Thinking. Essa metodologia pode ser traduzida como “mentalidade enxuta”, e tem, como principal objetivo, ampliar o valor do cliente e reduzir ao máximo o desperdício. Em outras palavras, a ideia é gerar valor reduzindo os recursos utilizados, como custos materiais, humanos, financeiros etc.

A eliminação cria processos que precisam de menos espaço, esforço humano, investimento e tempo para produzir produtos e serviços. Tudo isso com muito menos custos e defeitos, se comparados aos sistemas tradicionais de gestão.

As empresas que seguem essa filosofia são capazes de identificar e responder às mudanças do desejo dos clientes de forma veloz, com alta variedade, qualidade e custo reduzido. Além disso, o gerenciamento de informações fica bem mais simples e preciso.

Quer saber mais sobre o Lean Thinking? Então, acompanhe o nosso post de hoje.

Os princípios do Lean Thinking

Os princípios do Lean Thinking

O método Lean Thinking segue 5 princípios bem definidos.

Valor

Segundo a metodologia, a premissa básica para começar a desenvolver algo é deixar seu cliente definir o que é valor em seu produto. Parece ser uma tarefa simples, mas exige esforço.

Muitas organizações falham ao desenvolver um item ou serviço por acreditar que sabem o que o cliente quer. Por isso, tantas empresas vão à falência logo no primeiro ano de existência.

Aquilo que o cliente não está disposto a pagar no produto por não ser relevante é desperdício e deve ser eliminado.

E mais, o consumidor está sempre mudando seus conceitos. Isso significa que seus objetivos devem estar em constante evolução. É indicado estudar frequentemente o mercado que sua empresa está inserida.

Fluxo de valor

Ele consiste em identificar quais etapas do seu processo agregam valor ao produto. Aquelas que não se encaixam nessa definição devem ser cortadas.

Com isso, você reduz gastos desnecessários com máquinas, energia e tempo. Para visualizar mais facilmente, é recomendada a utilização do “Mapeamento de Fluxo de Valor”.

Fluxo contínuo

Após visualizar as tarefas que geram valor, deve-se atentar para a criação de um fluxo de trabalho no qual você produza sem interrupções.

O ideal é atender às necessidades dos clientes com velocidade, otimizando o tempo de processamento. Essa etapa demanda tempo e é necessário um alto grau de envolvimento da organização para que funcione corretamente.

Produção puxada

Nesse ciclo, a empresa deve trabalhar produzindo apenas o que o cliente deseja comprar, reduzindo o estoque ao máximo.

Dependendo da quantidade de produtos, pode existir a necessidade de criar um supermercado do produto acabado. Isso faz com que a empresa passe a elaborar itens para repor as unidades vendidas.

Com a produção conduzida pela necessidade de descontos, promoções ou ações especiais para esgotar o estoque parado são totalmente eliminadas.

Melhoria contínua

Por fim, este é o objetivo final do sistema Lean Thinking. Esse passo se aplica para processos, pessoas, produtos etc, sempre buscando agregar valor ao cliente.

A empresa pioneira nesse procedimento é a montadora japonesa Toyota. Ela pratica o Lean há anos e continua estudando os problemas diariamente a fim de aprimorar o seu produto e, consequentemente, a satisfação do cliente.

Ferramentas do Lean Thinking

Ferramentas do Lean Thinking

Se você se interessou pela estrutura do Lean Thinking e pretende passar a utilizá-la no seu contexto empresarial, saiba que existem algumas ferramentas que podem te auxiliar a organizar sua reestruturação.

Mapeamento do Fluxo de Valor

Esse método ajuda a analisar as atividades, segmentando-as de acordo com o seu valor.

Por exemplo, você define se os processos acrescentam muito valor, pouco valor (mas são essenciais) ou se são completamente dispensáveis.

Uma vez mapeadas, é possível traçar coordenadas para o futuro. É recomendado fazer isso em equipe, num brainstorm, para que todos enxerguem o que é desperdício dentro da empresa.

Kanban

Esse é um termo em japonês que significa cartão visual. Nesse sistema, você elabora visualmente os passos da produção, facilitando a visualização do que foi feito, por quem e quais são as próximas partes.

Ele segue 5 regras descritas pelo seu criador:

  • Primeira etapa: só os itens necessários devem ser passados para frente no tempo e quantidades corretos;
  • Segunda etapa: o número de produtos produzidos não deve ser maior que o necessário;
  • Terceira etapa: itens defeituosos não devem ser passados para frente;
  • Quarta etapa: o número de kanbans deve ser reduzido;
  • Quinta etapa: o kanban deve ser reduzido e ser usado para adaptar pequenas flutuações na demanda.

5S

O Programa 5S é uma outra ferramenta do Lean Thinking de origem japonesa. A metodologia tem 5 princípios fundamentais:

  1. Senso de utilização;
  2. Senso de organização;
  3. Sendo de limpeza;
  4. Senso de padronização;
  5. Senso de disciplina.

Cada um dos termos acima vem das palavras originais na língua japonesa. Essa metodologia deve ser aplicada gradualmente, seguindo cada uma das etapas citadas.

Kaizen

Por último, existe a filosofia Kaizen, que significa melhoria contínua. O termo é autoexplicativo, mas é interessante ressaltar o caráter de equipe que ele carrega. Ele pressupõe participação coletiva para que todos melhorem juntos.

Conclusão

Claro que existem muitos outros instrumentos para por o Lean Thinking em prática, mas o objetivo desse texto era falar brevemente sobre esse método e as vantagens que ele pode trazer para sua empresa.

Com a globalização da economia e os mercados cada vez mais interligados e dependentes, é quase impossível escapar das principais tendências administrativas do mercado. Mais do que isso, chega a ser contraproducente não levar em consideração as gestões dos casos bem sucedidos da indústria.

O que levou essa organização a ter sucesso nas suas operações? Além da metodologia empregada, é necessário que os gestores envolvidos tenham a visão de negócios necessária para enxergar a direção para onde o mercado vai e disposição para aprender sempre, mantendo seus conhecimentos e referências sempre atualizados.

Você está pronto para o futuro?