Lean: Passo a passo para conduzir uma análise de fluxo de valor

Como prometemos em nosso post anterior – que você pode conferir acessando aqui –  no qual falamos sobre VSM, como utilizar essa ferramenta na empresa e quais práticas evitar ao implementá-la nos processos operacionais.

Hoje iremos dar continuidade a esse assunto falando sobre como conduzir uma análise de fluxo de valor passo a passo. Então continue a leitura para saber mais!

eBook – Lean Manufacturing, tudo que você precisa saber!

As metodologias Lean e Seis Sigma são bastante utilizadas pelas empresas no mercado atual. Porém, muitos profissionais ainda têm dúvidas sobre cada uma, como funcionam e o que difere as duas filosofias de gestão.





Capa eBook - Lean Manufacturing, tudo que você precisa saber!

O mapeamento de fluxo de valor também utilizado em metodologias Six Sigma, por seguirem o mesmo objetivo: eliminar o desperdício e criar o sistema mais eficiente possível.

No entanto, as metodologias identificam o desperdício de forma diferente, no pensamento enxuto o foco fica nas atividades de valor não agregado, o Seis Sigma prioriza mais as variações de processos que resultam em desperdício.

Por isso é importante conhecer mais sobre o assunto, para saber de que forma usar as duas metodologias, de forma que ambas se complementem.

Análise de Fluxo de Valor

Na teoria enxuta, o “fluxo de valor” se refere a todas as ações necessárias para transformar um produto (ou serviço) de uma matéria-prima para o produto final.

Partindo do principio que cada ação agrega valor ao produto acabado, idealmente trabalhando juntos de forma eficiente para criar um fluxo contínuo de valor.

De que forma isso é feito? Bom, certamente aumentar o valor e remover os desperdícios, assim como analisar o fluxo de valor, é essencial, então você deve dar início ao pensamento enxuto a essa fase. Isso é necessário pois, fornece a base para a criação de um plano de melhoria.

Ao examinar o estado atual de um sistema, as ações que agregam à criação de valor podem ser claramente separadas daquelas que criam desperdícios, facilitando a identificação de oportunidades de melhoria.

O mapeamento de fluxo de valor suporta a análise de fluxo simplificando um sistema complexo em um mapa. O mapa ilustra os resultados da análise de fluxo de valor, oferecendo uma ferramenta visual para facilitar a compreensão e a comunicação.

A próxima seção descreve os passos para realizar uma análise de fluxo de valor, criar um mapa de estado atual, desenvolver mapas de estados futuros e ideais e, finalmente, realizar um plano enxuto (Lean).

Essas etapas são as práticas recomendadas para VSM e proporcionam organização para a análise de fluxo de valor, gerando o melhor resultado possível, que seria um sistema eficiente e integrado de fluxo de materiais e informações.

Como conduzir uma análise de fluxo de valor passo a passo

Identifique o produto

Os produtos a serem estudados e melhorados. Você geralmente reúne uma equipe para fazer o mapeamento e a análise, dependendo do tamanho da iniciativa.

Se a equipe for inexperiente, ela precisará de treinamento em VSM. Algumas grandes empresas podem ter um gerente de fluxo de valor.

Obtenha o apoio da liderança

Esse apoio é essencial para o projeto de mapeamento do fluxo de valor, considerando os custos potenciais envolvidos.

É possível que você use um VSM menor, mostrando a melhora potencial, para ajudar a ganhar o apoio da liderança com uma análise mais completa.

Determine o problema para o fluxo de valor

Isso deve ser realizado do ponto de vista do cliente. Nesse caso pode ser usada a análise A3 de causas-raízes para fazer isso. Certifique-se de que as preocupações dos clientes sejam claramente compreendidas, pois são elas que definem o valor.

Limite o processo

Determine o escopo do seu projeto.

Percorra os passos do processo/fluxo de informações necessários para implantar o produto ou serviço

Alguns profissionais preferem realizar o percurso partindo do ponto de vista do cliente. Faça isso quantas vezes forem necessárias para se certificar que os processos então corretos e livre de falhas.

Defina os passos do processo

Lembre de permanecer dentro dos limites que foram definidos à medida em que é realizado esse, algo muito relevante para estudar as atividades de trabalho e fluxos de informações que agregam valor ou não para o cliente.

Colete dados do processo durante o percurso

É aqui que você começa a avaliar o desempenho de cada passo do processo. Alguns exemplos são o tipo e o tamanho do estoque, o  tempo de ciclo, o tempo de troca, o tempo de funcionamento e inatividade da máquina ou processo, o número de trabalhadores, os turnos trabalhados, as horas de trabalho disponíveis e o tamanho do lote.

Tudo isso pode resultar em eficiência e corte de desperdícios. Adicione esses dados de processo às caixas de dados do seu Mapa de Fluxo de Valor.

Avalie os passos do processo

Você também usa caixas de dados para essas informações:

a) Se o processo se qualifica como valioso, significa que ele gera valor do ponto de vista do cliente.

b)Nos casos onde se classifica como capaz, a frequência com que há um resultado de alta qualidade cada vez.

c)Já nos processos classificados como disponível, a frequência com que o passo do processo está disponível quando necessário.

d) Processos considerados adequado, o quanto de capacidade existe para atender às demandas dos clientes. Isso muitas vezes se relaciona a análise de restrições, gargalos, excesso de capacidade e excesso de estoque.

e) Processos que se classificam como flexível, o quanto um passo do processo pode mudar rápida e economicamente de um membro de uma família de produtos para outro.

Mapeie a movimentação do produto e os fluxos de informações

Procure três coisas essenciais:

Fluxo vs. Estagnação

O ideal é que o produto nunca pare de se movimentar. Isso pode ser medido através dos níveis de estoque.

Empurrar vs. Puxar

Isso mostra como as informações sobre a produção são tratadas.

Nível vs. Errático

Isso mostra quanto o processo foi suavizado para obter eficiência. Isto aborda os conceitos de manufatura enxuta (Lean) de  desigualdade, sobrecarga do fluxo de valor para acompanhar e desperdícios.

Quer continuar aprendendo mais sobre projetos de melhoria?

Baixe nosso eBook: Liderando projetos Lean Six Sigma e mais sobre projetos Lean Six Sigma.

 



0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *