FMEA: entenda a análise dos modos de falha e seus efeitos

Você sabe o que é FMEA? Com o decorrer dos anos, uma importante ferramenta de análise de efeitos e modo de falhas tornou-se indispensável no meio empresarial.

Conhecida como FMEA ela tem sido utilizada principalmente entre companhias que investem na implementação de processos mais precisos em sua gestão por meio do gerenciamento de riscos. Atualmente, todos os segmentos comerciais são beneficiados pelos recursos que essa ferramenta proporciona.

A sua flexibilidade permite que ela atenda às mais variadas demandas e necessidades do mercado moderno. Na área de enfermagem, por exemplo, ela tem melhorado a eficiência na gestão hospitalar.

Por isso, no artigo de hoje mostraremos tudo o que você precisa saber sobre FMEA. Conheça abaixo o que é FMEA, quais os seus efeitos quando implementado em um projeto, além de suas aplicações e benefícios para a gestão empresarial!

O que é FMEA?

FMEA, ou Failure Mode and Effect Analysis, é um método amplamente conhecido por ser usado para estudar, de forma preventiva, as causas e os efeitos de falhas em uma empresa. Ele é estruturado com a intenção de minimizar a ocorrência de falhas.

Com o FMEA a empresa pode garantir uma queda no número de problemas de qualidade. Além disso, o desperdício de gastos se torna menos frequente e há uma otimização dos índices de satisfação dos clientes.

Em outras palavras, o FMEA, é uma ferramenta de melhoria contínua capaz de maximizar a qualidade integrada em estratégias de gerenciamento como o Kaizen e o Lean Six Sigma. Por ser desenvolvida por equipes de diversos departamentos, o FMEA é capaz de auxiliar o negócio a alcançar níveis elevados nos padrões de excelência dos resultados obtidos por todos os times.

Os impactos da aplicação do FMEA atingem diretamente o retorno financeiro de um empreendimento. Isso é feito por meio da redução, ou até mesmo eliminação, de falhas potenciais que podem colocar em risco a qualidade do produto final.

Ou seja, resultados obtidos pelo uso do FMEA no ambiente corporativo proporcionam benefícios relevantes para a empresa. Isso traz mais confiabilidade para os seus produtos e serviços e, assim, amplia a sua competitividade.

Não é coincidência que, durante os últimos 60 anos, o FMEA vem sendo implementado e adaptado de forma bem sucedida por negócios dos mais variados portes e segmentos comerciais. A sua presença é vista em indústrias, startups e até mesmo estabelecimentos de prestação de serviços hospitalares.

Em alguns locais, ele se tornou obrigatório. O FMEA já é exigido na documentação que envolve a prestação de serviços como uma ferramenta para assegurar o índice de qualidade dentro do ambiente corporativo.

Quais as principais modalidades de FMEA?

Sem dúvidas, um dos motivos do FMEA ser tão importante para as companhias é o fato de que pode ser aplicado em variadas áreas dentro de uma empresa. Por ser uma estratégia flexível, ele pode ser direcionando não apenas para o desenvolvimento de produtos, mas também para a otimização de serviços, de sistemas e outros aspectos da rotina corporativa.

Confira abaixo as principais modalidades de FMEA existentes e saiba como cada uma pode ser aplicada no seu ambiente de trabalho!

FMEA de processos

Esse tipo é muito utilizado para fazer análises de processos transacionais. O seu foco está em falhas na produção do resultado almejado.

Em outras palavras, o FMEA de processos está focado em auxiliar o profissional a encontrar defeitos. Além disso, ele permite que sejam rastreadas as causas das ocorrências e, assim, a companhia possa otimizar os processos corretamente.

FMEA de sistemas

Essa categoria é usada para analisar sistemas e subsistemas desde as primeiras fases de seu conceito e estágios de design. O foco está sempre concentrado em modos de falhas potenciais relacionados à funcionalidade de um sistema.

FMEA de produto

Essa é a modalidade em que são consideradas as falhas que podem ocorrer com o produto (dentro das especificidades de um projeto). O intuito desse tipo de análise é minimizar possíveis falhas no produto ou em processos decorrentes do projeto. É também conhecida como FMEA de projeto.

FMEA de software

Como o próprio nome já deixa claro, O FMEA de software é a modalidade que visa analisar o desenvolvimento e funcionalidade de softwares, garantindo a sua eficiência dentro das organizações.

Como o FMEA é aplicado como ferramenta de projeto Six Sigma?

Primeiramente, vale ressaltar que, no contexto da metodologia Learn Six Sigma, a ferramenta é fundamentada em alguns pilares importantes, sendo eles:

Definição e caracterização de elementos, funções e do sistema

Aqui serão registrados todos o dados sobre a descrição do processo ou produto que será analisado. Isso incluirá informações como as funções do produto, o modo como as rotinas são executadas, os indicadores mínimos de qualidade e os resultados esperados.

Esse processo é importante pois auxilia o gestor a ter uma melhor orientação sobre o seu trabalho. Ou seja, ele dá as bases para que o uso do FMEA traga mais resultados para a companhia.

Identificação de modos de falhas em potencial, suas causas e impactos negativos nos processos da empresa

A partir das informações coletadas na etapa anterior, o analista deve realizar uma análise completa em busca de todos os riscos operacionais existentes. Além disso, devem ser incluídas as possíveis causas de uma ocorrência e os impactos que ela causa.

Avaliação semiquantitativa das possibilidades e modalidades de falha

Também é necessário avaliar os potenciais modos que com as falhas ocorreram ou pode ocorrer. Isso pode ser feito com base em critérios pré-definidos como gravidade, possibilidade de frequência/ocorrência e possibilidade de detenção.

Criação de uma lista de riscos prioritários

A priorização de riscos auxilia o gestor a ter uma visão mais abrangente sobre quais são os pontos que podem impactar diretamente no sucesso dos processos e produtos do negócio. Uma das formas de identificar quais são as vulnerabilidades mais importantes é verificando o potencial de impacto com o apoio de três bases, que são:

  • a severidade de a ocorrência emergir, ou seja, o potencial de deteriorar a qualidade do nível operacional do serviço ou produto;
  • a frequência com que o risco pode impactar a empresa ao longo de meses, anos ou mesmo dias;
  • a capacidade de o negócio detectar rapidamente e eliminar o problema caso ele aconteça.

Conforme a empresa detectar e priorizar os seus riscos, medidas preventivas devem ser estruturadas. Elas auxiliarão o time a ser mais efetivo na prevenção e na eliminação de qualquer falha que eventualmente possa impactar os resultados da companhia.

Para que essa etapa seja efetiva, é importante que todos os passos de prevenção e mitigação de riscos sejam documentados. Além disso ,a companhia deve treinar os seus profissionais para que eles consigam aplicar as medidas com qualidade, evitando problemas quando algo ocorrer.

Redução de riscos de eventos sentinelas e minimização do teor de erros nos sistemas

O trabalho de aplicação do FMEA é contínuo. Portanto, uma vez que as soluções foram definidas e implementadas, a companhia deverá continuar a avaliar possíveis riscos e falhas. Dessa forma, será possível sempre manter um nível elevado de qualidade para o negócio e os seus produtos.

Por que muitas empresas usam o FMEA?

Como foi dito anteriormente, FMEA é uma ferramenta altamente eficaz para realizar avaliações de processos e encontrar falhas potenciais no desenvolvimento de serviços ou produtos, correto?

Sendo assim, podemos afirmar que ele é tão valioso para revelar áreas que necessitam de melhorias quanto útil para orientar a criação de novos processos e, é claro, otimizar o norteamento para uma tomada de decisões mais assertiva.

Além disso, o FMEA é o caminho mais lógico e bem estruturado para identificar possíveis áreas de preocupação e gargalos na logística, reduzindo custo e tempo de desenvolvimento. Sendo assim, ele é indispensável quando há a intenção de aplicar um processo pertinente a um produto ou serviço de forma bem-sucedida.

Quando aplicado para a gestão de cadeias de suprimentos, o FMEA auxilia na redução de gargalos e na eliminação de atrasos. A companhia conseguirá analisar todos os seus processos, melhorar a maneira como cada etapa da entrega de uma matéria prima está estrutura e, assim maximizar a sua performance para evitar desperdícios e prejuízos.

Portanto, vale ressaltar, ainda, que o FMEA tornou-se uma ferramenta eficiente na identificação de áreas em que o desempenho pode estar se tornando obsoleto, como avaliações de vendas, satisfação do consumidor ou até mesmo no gerenciamento de custos para rentabilizar o negócio, por exemplo.

Quais são os maiores benefícios de utilizar o FMEA?

No entanto, um dos benefícios mais relevantes é como o FMEA é capaz de identificar, de maneira antecipada, problemas de interface em sistemas que podem afetar o sucesso da operação como um todo, impactando até mesmo a segurança.

Resumindo, os principais benefícios do FMEA são:

  • aumenta a viabilidade dos sistemas: ao dar as bases para uma otimização mais inteligente dos softwares, eles passam a ser mais lucrativos e a terem um impacto maior no resultado da empresa;
  • reduz ou elimina a ocorrência de falhas: com uma priorização de erros analítica, a companhia consegue reduzir a sua frequência e, com isso, ter menos atrasos, quedas de produtividade ou indisponibilidades operacionais;
  • calcula e avalia riscos para cada tipo de falha, sempre considerando os diferentes critérios e atribuindo prioridade para cada solução: isso será fundamental para melhorar o direcionamento das ações corretivas e preventivas aplicadas pela empresa;
  • permite modificações e melhorias significativas em qualquer projeto ou processo: o FMEA é uma estratégia flexível, o que garante a sua aplicação em vários cenários com um alto custo-benefício;
  • identifica necessidades de desenvolvimento ou alterações com precisão;
  • torna os custos de prevenção de falhas significativamente mais baixos que os custos de medidas corretivas: medidas preventivas muitas vezes são mais fáceis de econômicas do que a correção de problemas. Com o FMEA a empresa consegue reduzir gastos e, assim, criar meios para novos investimentos;
  • reduz custos e tempo no desenvolvimento de projetos, otimizando a eficiência: se existem menos erros, os projetos passam a ser mais ágeis, precisos e com menos retrabalho, o que contribui para a redução do orçamento necessário para a criação de um novo produto ou serviço;
  • torna a fonte dos dados rastreável para auditorias e manutenções: o FMEA permite a criação de um banco de dados abrangente, transparente e objetivo sobre as falhas da companhia. Essas informações podem ser um ativo estratégico no futuro, permitindo que gestores tomem decisões mais robustas e capazes de evitar problemas que comprometam a competitividade da empresa.

Por que investir em um curso de FMEA?

Para que estratégias que buscam melhorar o funcionamento do negócio sejam efetivas, é importante que todos os profissionais tenham conhecimentos alinhados e saibam como aplicar as medidas corretamente. Por isso, uma boa estratégia é investir em um treinamento para que todos os times saibam o que é FMEA.

Isso poderá ser realizado com o apoio de uma empresa parceira. O time interno terá acesso a um grupo de especialistas em FMEA, que conseguirão orientar as equipes sobre as principais bases dessa estratégia, as suas formas de aplicação e os seus impactos. Dessa forma, todos conseguirão levar os conhecimentos para dentro do ambiente corporativo e, assim, garantir melhores resultados para o negócio.

O curso também é importante pois, além de explicar o que é FMEA, ele também amplia o nível de engajamento interno. Como os times saberão o seu papel na aplicação do FMEA e o impacto que a estratégia terá no seu dia a dia, ficará muito mais fácil garantir os resultados esperados com o investimento.

Todo negócio busca formas de otimizar a suas rotinas de trabalho e a estruturação de seus produtos e serviços. O FMEA, por exemplo, ganhou destaque ao longo dos anos por ser uma estratégia robusta, abrangente e bem estruturada para que companhias possam atuar na economia moderna.

O FMEA utiliza o histórico de falhas detectadas como referência para auxiliar o negócio a ter um ambiente de trabalho e produtos mais eficientes e com menos erros. Ele pode ser aplicado nas fases de desenvolvimento de novos produtos, em processos internos ou serviços que são prestados a clientes.

Em resumo, quando a companhia sabe o que é FMEA e os seus impactos, a sua competitividade é elevada rapidamente. Isso, aumenta exponencialmente a produtividade e a viabilidade dos projetos e serviços como um todo e, consequentemente, permite que o negócio lucre muito mais.

Agora que você já sabe o que é FMEA e quais são as suas principais modalidades, fale com a gente e descubra como essa estratégia pode ser levada para o seu ambiente operacional!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *